Assis Horta aborda a democratização do retrato em mostra

Nesta segunda-feira (2), dia do aniversário de D.Pedro II, primeiro brasileiro fotografado no país, será inaugurada a exposição “Assis Horta – A Democratização do Retrato Fotográfico através da CLT”, no Palácio do Planalto, em Brasília, prédio projetado por Oscar Niemeyer. 

Com curadoria de Guilherme Horta, a mostra reúne cerca de 200 retratos de trabalhadores feitos pelo fotógrafo Assis Horta, entre as décadas de 1940 e 1970, para atender à exigência da recém-criada carteira de trabalho. 

As fotos foram feitas no estúdio que Assis Horta, hoje com 95 anos, mantinha em Diamantina, Minas Gerais. A exposição resgata a história do país e marca os 70 anos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), instituída pelo presidente Getúlio Vargas em 1° de maio de 1943, que gerou o novo documento, a Carteira de Trabalho e Previdência Social, que exigia fotografia em formato 3x4 de seu usuário. Por conta disso, milhares de pessoas que nunca haviam sido fotografadas tiveram pela primeira vez o seu próprio retrato. A fotografia, até então, era um luxo disponível apenas para a burguesia. 

Na exposição, há fotos não só dos trabalhadores, mas também de suas famílias. A mostra já foi apresentada no Centro Cultural e Turístico do Sistema FIEMG, em Ouro Preto, Minas Gerais.