Estado investe R$ 750 milhões em oito favelas

 Depois de criar um cinturão de segurança no entorno do Maracanã, com a pacificação de comunidades da região visando a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016, o Estado vai promover uma série de melhorias urbanísticas, habitacionais e de acessibilidade nos complexos da Tijuca e da Mangueira.

Serão aplicados mais de R$ 750 milhões nessas áreas e em outras comunidades da capital, que vão beneficiar 150 mil pessoas. As obras integram o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) 2. Todas as intervenções serão acompanhadas de investimentos sociais.

O trabalho social junto aos moradores será realizado por equipes do PAC Social da Secretaria da Casa Civil.

 – Com a combinação UPPPAC, vamos levar dignidade e cidadania às comunidades, onde, muitas vezes, os órgãos públicos se fazem presentes apenas nas incursões policiais. Acreditamos que a atuação cidadã deve ser o início de toda ação de segurança – afirmou coordenador de Infraestrutura do Estado, Luiz Fernando Pezão.

O modelo será o mesmo adotado no Alemão, em Manguinhos e na Rocinha. Segundo a coordenadora do PAC Social, Ruth Jurberg, os projetos refletem a vontade dos moradores. Estão previstas qualificação na área de turismo, oficinas de geração de emprego e orientação sobre reciclagem de lixo e de óleo de cozinha usado.

Moradores da Grande Tijuca aguardam infraestrutura

Na primeira etapa de obras nas comunidades da Tijuca, serão beneficiados os morros do Borel, Formiga e Salgueiro, onde vivem 32,2 mil pessoas. Estão previstas a construção de 632 novas moradias, implantação de redes de abastecimento de água e de esgoto, drenagem, pavimentação de ruas e instalação de rede elétrica, creche, escola, biblioteca e posto de saúde. Morador do Borel há 40 anos, Carlos Sérgio de Oliveira Lopes, 46, vive a expectativade receber as obras do PAC 2.

– Espero que os problemas de acesso sejam resolvidos, porque o morro é muito íngreme. Quem mora mais no alto sofre muito, principalmente carregando compras – disse Lopes.

Projetos sociais no Pavão-Pavãozinho e Cantagalo

O governo estadual dará início nos próximos dias à segunda etapa do programa de obras, orçadas em R$ 43,3 milhões. Serão construídas 76 unidades habitacionais na Rua Saint Roman, em Copacabana, e vias serão urbanizadas com calçadas e áreas de lazer. O PAC Social fará a remoção de famílias e trabalho de educação ambiental com os moradores.

 – O serviço social da primeira fase do PAC ali não foi nosso e parte das comunidades não foi atendida. Agora, estamos entrando em todas as áreas – afirmou Ruth Jurberg.