Rosinha Garotinho diz que só deixa prefeitura de Campos algemada

"No tapetão eu não saio. Quero que a polícia venha aqui e me tire na frente do povo"

Um dia após ser condenada pela Justiça Eleitoral com a cassação de seu mandato, a prefeita de Campos dos Goytacazes (RJ), Rosinha Garotinho, se trancou no prédio da prefeitura e afirmou, em entrevista à rádio CBN, que só deixa o local algemada. 

"No tapetão eu não saio. Eu só saio daqui algemada. Eu quero que a polícia venha aqui e me tire na frente do povo", disse a prefeita, que conclamou a população do município a "lutar pela democracia" da cidade. 

Rosinha e seu marido, o deputado federal Anthony Garotinho, foram condenados por "abuso de poder econômico em razão de uso indevido de veículo de comunicação social".

Para a juíza Gracia Cristina Moreira, responsável pela decisão, a prefeita e seu vice, Francisco Arthur de Souza Oliveira, foram beneficiados por propaganda eleitoral irregular veiculada em meio de comunicação do grupo O Diário

Os radialistas Fábio Paes, Linda Mara Silva e Patrícia Cordeiro teriam utilizado programas em que atuavam ou dirigiam, junto com Anthony Garotinho, para promover a candidatura de Rosinha. 

"Nós estamos vivendo um momento de muita perseguição política, a população de campos está na rua, está revoltada. (...) Eu só saio daqui presa porque eu fui eleita por voto direto do povo. Eu não estou aqui porque estou presa a cargo nenhum, estou aqui defendendo o exercício da democracia da população que me elegeu. Eu quero ser julgada nas urnas. Se a população não achar que eu estou fazendo um bom governo, que me tire pelas urnas", afirmou Rosinha.