Batalhão Especial Prisional da PM, em Benfica, vai ser extinto

 O comandante da Polícia Militar, coronel Mário Sérgio, anunciou a extinção da Unidade Prisional de Benfica, anteriormente conhecido como Batalhão Especial Prisional (BEP), na zona norte do Rio de Janeiro. O anúncio veio depois de Mário Sérgio classificar como inaceitável a festa realizada pelo ex-PM Carlos Ari Ribeiro nas dependências do Batalhão.

Carlos, ou Carlão, como é conhecido, realizou a festa de um dos filhos dentro do BEP. As fotos foram publicadas na edição desta quinta-feira do jornal Extra. Ele é acusado de ser o principal matador de uma milícia da zona oeste e teria envolvimento em 16 assassinatos.

Por meio de nota, o Comando da PM informou que será aberta uma sindicância para apurar os fatos descritos ainda nesta quinta-feira. Foi pedido ao jornal as quatro fotos disponíveis, de modo a ajudar nos trabalhos. O comandante da época, subcomandante e o oficial de dia que estava de serviço serão convocados para esclarecer se eles sabiam da festa.

A nota afirmou que confraternizações entre detidos e presos são permitidas pela lei, desde que dentro de protocolos legais e de segurança. Mas a sindicância, diante das imagens, irá verificar se houve do uso de bebidas alcoólicas, o que fere frontalmente a legislação e pode culminar na prisão de responsáveis.

Hoje, o comandante da unidade prisional, coronel Ricardo Arlem, se encontrou com o comandante-geral da PM para discutir que medidas disciplinares podem ser adotadas. Já se decidiu que os detidos no BEP passarão a usar uniforme e estão sendo calculados valores para as vestimentas.

O ex-policial fugiu da unidade prisional de Benfica em 2 de setembro. A recompensa para quem ajudar a polícia a capturar o miliciano é de R$ 5 mil. Informações podem ser passadas pelo telefone 2253-1177 e o anonimato é garantido.

PM nega extinção

Através de nota, a Polícia Militar negou a extinção do BEP. Veja a íntegra do comunicado:

Assessoria de Imprensa esclarece que diferente do que está sendopublicado em alguns meios de comunicação, a Unidade Prisional da PolíciaMilitar não vai ser extinta. O Secretario de Segurança pediu ao ComandanteGeral da PMERJ, Coronel Mario Sergio de Brito Duarte que procurasse umlocal mais seguro para abrigar a Unidade.