Caso do livro com erro de português vai parar na Justiça Federal

O juiz Luiz Roberto Ayoub, da 1ª Vara Empresarial da Capital, no Rio de Janeiro, determinou nesta quinta-feira, dia 26, a remessa para uma vara da Justiça Federal da ação civil coletiva contra a edição de livros didáticos com erros de português.

Segundo Ayoub, "a questão é de extrema relevância, sensível e delicada" e, antes de ser examinada, é preciso analisar de quem é a competência para decidir, uma vez que a adoção do material decorreu de um ato governamental da União, dentro de uma política pública que pretendeu respeitar a integração cultural diversificada do país.

A ação foi proposta pela Comissão de Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) contra a Global Editora e Distribuidora Ltda.

Relembre o caso:

>> Alerj entra com ação pública contra livro que "maltrata' o português