CPI quer participar do processo de destruição de armas acauteladas

 

Informada de que os maiores “gargalos” na destinação adequada de armas  acauteladas no estado eram causadas por falhas na comunicação entre a  Polícia Civil, que as protege, e o Exército, encarregado de destruí-las,  a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) decidiu interceder pelo aumento do percentual de destruições.

Em depoimento a comissão nesta  segunda-feira (04/04), o diretor da Divisão de Fiscalização de Armas e  Explosivos da Polícia Civil (Dfae), delegado Claudio Vieira, disse que a  adoção de alguns critérios poderiam reduzir em até 70% o arsenal hoje sob  proteção policial, de 150 mil armas de fogo e mais de quatro toneladas de  munição.

“Essa é uma colaboração que a CPI pode dar de imediato. Temos  150 mil armas dentro da Dfae num lugar absurdo, inadequado, sem a  vigilância necessária, já tivemos casos de desvio. Algo precisa ser  feito”, afirmou o presidente do grupo, deputado Marcelo Freixo (PSol),  que pretende visitar o depósito da Dfae ainda esta semana e também  contatar o Comando Militar do Leste. “Cabe ao parlamento fazer esse  contato. Imagina se 70% dessas 150 mil armas pudessem ser destruídas?  Isso facilitaria o controle, ganharíamos todos”, aposta.