Agências bancárias de municípios fluminenses fecham por causa de greve dos vigilantes

Cerca de 140 agências bancárias ficaram fechadas hoje (1º) ao público, em vários municípios do Rio de Janeiro, por causa da greve de vigilantes que começou na cidade de Campos dos Goytacazes, no dia 23 de março. A categoria reivindica reajuste salarial de 10%.

O movimento ganhou força e se estendeu para os municípios da Baixada Fluminense. Em Belford Roxo, 12 agências bancárias não abriram. Nas cidades de Queimados e Nova Iguaçu várias agências também permaneceram fechadas.

No norte fluminense, a greve atinge as cidades de Macaé, São João da Barra e Cardoso Moreira. No noroeste do estado, a paralisação afeta as agências bancárias de Bom Jesus do Itabapoana, Cambuci, Santo Antônio de Pádua, Itaocara, Italva, Itaperuna, Natividade, Porciúncula, Varre-e-Sai, Bom Jardim, Cachoeiras de Macacu, Cantagalo, Cambuci, Cordeiro, São Fidélis, São João da Barra e Miracema.

Nas regiões onde a greve começou há mais tempo, como Nova Friburgo, Macaé e Campos dos Goytacazes, já falta dinheiro para reabastecer os caixas eletrônicos.

De acordo com o presidente da Federação Estadual dos Vigilantes, Fernando Bandeira, no estado do Rio de Janeiro o piso salarial dos vigilantes está cada vez menor. “A gente está reivindicando 10% do reajuste acima da inflação exatamente porque os empresários estão oferecendo apenas 1,5%”, disse. Atualmente, o piso da categoria é de R$ 800.

Bandeira destacou que, na próxima semana, a paralisação vai atingir as agências bancárias de Volta Redonda e outras cidades do sul do estado, mas espera que haja acordo na reunião marcada para a próxima segunda-feira (4) com os banqueiros.