Servidores fazem hoje novo ato contra desativação do Iaserj

RIO - Servidores do estado fazem hoje (14/12), um grande ato de confraternização de fim de ano e de resistência contra a desativação e demolição do Hospital Central do Iaserj. A manifestação começa a partir das 15 horas, no pátio do Iaserj e é organizada pelos sindicatos que representam o funcionalismo estadual, entre eles o Sindsprev/RJ, o Sepe, o Sindjustiça, associações de classe e pelo Movimento Unificado dos Servidores Públicos do Estado (Muspe). O ato acontecerá no pátio do Hospital Central do Iaserj (Avenida Henrique Valadares, 107, próximo à Praça da Cruz Vermelha). Este seria o terceiro hospital desativado pelo governador Cabral e pelo secretário de Saúde Sérgio Côrtes. Os demais foram o Instituto Estadual de Infectologia São Sebastião (IESS), no bairro do Caju, e o Pedro II (que está sob administração municipal), em Santa Cruz. O tema da manifestação será ‘O Iaserj vive, viva o Iaserj” numa referência ao absurdo que significa destruir um hospital em pleno funcionamento, quando o que se precisa é da construção de mais hospitais. O Hospital do Iaserj atende por mês a cerca de 9 mil pacientes (mais de 60% do Sistema Único de Saúde), faz 1.400 exames de imagem (tomografia, raios X e ultrassom), 30 mil exames de laboratório, 60 atendimentos odontológico, 100 internações, tem 16 leitos de CTI, além de funcionarem em suas instalações o Hospital Estadual de Infectologia São Sebastião, o único do gênero em todo o estado, entrega de bolsas de colostomia, duas farmácias. Os servidores são 40% da clientela do Iaserj e a população em geral 60%. O Iaserj seria demolido para, em seu lugar, ser construído um novo prédio do Instituto Nacional do Câncer (Inca).Durante audiência pública, no dia 30 último, o defensor público da União André Ordacgy confirmou que a desativação e possível demolição do Hospital Central do Iaserj são ilegais e só podem acontecer após alteradas as leis e a Constituição estaduais. “O Iaserj é um patrimônio público, propriedade dos servidores do estado, não sou eu que estou dizendo isso, são as leis, tem previsão na Constituição”, afirmou. O defensor avaliou que a disputa judicial em torno do assunto deverá transcorrer na Justiça Federal, já que o Inca é da União. Funcionários do Inca também são contra Também a Associação dos Funcionários do Instituto Nacional do Câncer (Afinca) é contra a demolição do Iaserj para a construção de um novo prédio do Inca. Segundo a associação os Conselhos Estadual e Municipal de Saúde já aprovaram como prioridade a descentralização do atendimento que seria feito com a construção de núcleos regionais do Inca. A construção da nova sede dificultaria o atendimento de pacientes que moram fora do centro do Rio de Janeiro.