TJ-RJ nega relaxamento de prisão para professora acusada de abusar de aluna

Nova audiência será realizada segunda-feira no Fórum de Bangu

RIO - A professora Cristiane Teixeira Maciel Barreiras, de 33 anos, que é acusada de ter mantido relações sexuais com uma aluna de 13 anos, teve o pedido de relaxamento de prisão negado pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, nesta quarta-feira. Uma nova audiência sobre o caso está prevista para a próxima segunda-feira, no Fórum de Bangu.

A defesa da educadora, que está presa na penitenciária Nelson Hungria, em Bangu, havia alegado falha legal na prisão da professora, realizada no dia 27 de novembro, próximo ao período eleitoral. No entanto, o juiz entendeu que a prisão foi feita em flagrante e não acatou o pedido da defesa.

O Ministério Público é autor do processo que acusa Cristiane de estupro vulnerável e de satisfação lascívia mediante presença de criança ou adolescentes. Se condenada em ambos os casos, a ré pode pegar 20 anos de prisão.

O relacionamento entre a aluna e a professora ocorreu na Escola Municipal Rondon, em Realengo, Zona Oeste do Rio. A professora confessou à polícia que as duas estavam juntas desde o início de 2010.

A professora de Matemática foi presa na casa da mãe, em Realengo, Zona Oeste do Rio, sob acusação de estupro de vulnerável e corrupção de menores. Em depoimento, Cristiane confessou que manteve relações "sexuais e amorosas" com sua aluna e admitiu que chegou a pedir permissão de namorá-la à mãe da garota.