Sobe para 15 número de presos em operação contra milícias

 

 Quinze pessoas, entre elas seis policiais militares, foram presas nesta quinta-feira (23) durante operação Todos os Santos. Cerca de 200 policiais da Delegacia de Repressão e Combate ao Crime Organizado e Inquéritos Especiais (Draco-IE) com auxílio de outras delegacias especializadas cumprem  40 mandados de prisão, sendo 13 contra policiais militares, e outros 66 de busca e apreensão - 27 contra PMs.  Os policiais estão divididos em 45 equipes e contam com o apoio de PMs e com o blindado do 14º BPM (Bangu). A operação acontece em todo o estado, mas se concentra nas Zonas Norte e Oeste da capital. 

 

De acordo com Cláudio Ferraz, da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e Inquéritos Especiais (Draco-IE), os dois líderes do grupo foram presos.

 

O policial militar Wellinton Alves Barbosa é indicado como o chefe da quadrilha. Os 13 policiais indiciados trabalhavam nos batalhões de Rocha Miranda, Méier e Água Santa. Já foram apreendidos três fuzis com lunetas, uma metralhadora e cinco pistolas, assim como celulares e munição para diversos calibres. A ação acontece em vários locais das zonas Norte e Oeste do Rio. E o objetivo é capturar criminosos no Morro do 18, Saçu, Caixa D'Água, Favelinha, Fazendinha, Pau Ferro, Granja, Beco, Fubá, Cabo (Complexo de Água Santa).

 

Um homem foi preso em flagrante com um fuzil, uma pistola e uma granada. Já havia mandado de prisão contra ele. Os milicianos são responsáveis por crimes de extorsão, homicídio e tortura. Eles cobravam R$ 30 aos moradores como taxa de segurança, além de explorar tv à cabo clandestina (gatonet), venda de gás e cobrar taxas de comerciantes, taxistas e motoristas de vans da região.

 

No alto do Morro do 18 os policiais encontraram um local onde eram jogadas ossadas e outro onde eram feitos desmanches de carros.

 

Cláudio Ferraz, titular da Draco-IE e está à frente da operação e classificou a quadrilha como " uma organização criminal extremamente violenta". As investigações já duram mais de um ano e a operação deve durar o dia inteiro.