Amigos e pais de vítimas da violência fazem homenagem a João Hélio

Júlia Moura, JB Online

RIO - Uma missa realizada na Candelária, no Centro, na tarde desta quinta-feira lembrou um ano da morte de João Hélio Fernandes Vieites. O menino foi arrastado, no dia 7 de fevereiro, por sete quilômetros preso ao cinto de segurança do carro da mãe, depois de um assalto. Os pais de João Hélio ainda muito abalados com a morte do filho não compareceram a missa. Alguns amigos da família e pais de outras vítimas de violência fizeram no final da missa uma homenagem ao menino.

O delegado de Polícia, José Mariano Beltrame também assistiu a homenagem e prometeu às famílias das vítimas de violência que irá acelerar os inquéritos que ainda estão abertos. O delegado disse ainda, que a morosidade da Justiça não vai impedir o combate da criminalidade no Rio.

Após a missa, amigos da família distribuíram rosas aos motoristas de carros que passavam em frente a igreja da Candelária, no Centro.

Os quatro maiores de idade acusados de matar o menino foram condenados a 167 anos, cada um. O menor que participou do crime cumpre internação de três anos. Os cinco estão sendo investigados pela 30ª DP (Marechal Hermes) por formação de quadrilha em inquérito que apura outros roubos de carros na área.