Famílias ocupam prédio do INSS e reivindicam políticas públicas

Agência Brasil

RIO - Cerca de 56 famílias que integram o Movimento Nacional de Luta pela Moradia (MNLM) ocupam o antigo prédio do Instituto Nacional de Segurança Social (INSS), na rua Alcindo Guanabara, na Cinelândia, centro do Rio de Janeiro.

As famílias reivindicam a aplicação de políticas públicas de habitação e reforma urbana e estão no local desde domingo, dia 28.

Segundo o coordenador do MNLM no Rio de Janeiro, Gelsom de Almeida, 25 milhões de famílias sofrem com a falta de moradia no Brasil. Entretanto, Almeida não soube dizer quantas famílias, no estado do Rio de Janeiro, não têm onde morar.

- O nosso propósito é fazer apartamentos de moradia com interesse social. Queremos a reforma urbana no seu sentido mais geral. Não significa só a preocupação com a moradia, mas com tudo aquilo que se relaciona com a cidade, seja a cultura, o lazer, a educação e o transporte - afirmou Almeida.

O movimento pela moradia tem realizado negociações com o Ministério das Cidades e com a Secretaria de Patrimônio da União para a ocupação de imóveis públicos. Atualmente, na cidade do Rio, além do prédio na Cinelândia, estão ocupados outro edifício do INSS na rua Venezuela, um prédio da Companhia das Docas na região portuária, além da

Superintendência Estadual do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Segundo o representante do movimento, o prédio do INSS na Cinelândia está abandonado há mais de dez anos. O objetivo da ocupação é abrigar 100 famílias e criar um espaço cultural para oficinas artísticas.

A professora de artes Dete Januário explica que o objetivo é a manifestação cultural e a geração de renda associada à moradia social.

- A idéia é fazer uma oficina de artes para gerar emprego e tirar as crianças e os jovens do abandono. É um projeto que quer mostrar à sociedade que nós temos talento, queremos uma oportunidade de vida - enfatizou Dete.

O INSS confirmou que o prédio estava vazio e informou que a procuradoria geral do estado do Rio vai entrar com o pedido de retomada de posse.