Rio

Alerj aprova Prêmio Marielle Franco para 47 organizações e defensores dos direitos humanos

...

Renan Olaz
Credit...Renan Olaz

A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro aprovou em discussão única a concessão do Prêmio Marielle Franco a 47 organizações e personalidades que desenvolvem ações de promoção, valorização e defesa dos direitos humanos no Estado do Rio. A criação do prêmio foi aprovada no plenário da Casa em fevereiro deste ano.

Os projetos têm autoria das deputadas Renata Souza (PSol), Enfermeira Rejane (PCdoB) e Mônica Francisco (PSol). Entre os homenageados, estão a mãe de Marielle, Marinete da Silva, e a viúva, a vereadora Mônica Benício. O prêmio também será entregue aos coletivos de comunicação independente Mídia Ninja e Papo Reto, à Organização Observatório de Favelas, ao Instituto Fogo Cruzado e entidades atuantes no Complexo da Maré. A concessão do prêmio acontece no mês em que se completam cinco anos da morte da vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes.

"O Prêmio Marielle Franco de Direitos Humanos é um importante avanço na consolidação de direitos e no reconhecimento das entidades, organizações e pessoas fundamentais na luta intransigente pela vida. A premiação dessas organizações e pessoas é mais do que um momento de celebração. Trata-se de uma reafirmação do compromisso da Alerj na defesa dos Direitos Humanos”, comentou a deputada Renata Souza (PSol), que assina 36 das propostas aprovadas.

 

Memória

Na noite do dia 14 de março de 2017, no bairro do Estácio, na região central da capital, o carro em que a vereadora estava foi atingido por nove dos 13 tiros disparados. Marielle e seu motorista, Anderson Pedro Gomes, morreram vítimas desses disparos. Apesar de alguns avanços na investigação sobre o crime, as autoridades ainda não descobriram os autores e nem o motivo. A morte de Marielle Franco repercutiu no mundo, com manifestações da população por vários dias nas ruas e muitas notícias divulgadas sobre o assassinato da vereadora no exercício de seu mandato.

Eleita vereadora com mais de 46 mil votos em 2016, socióloga e mestre em Administração Pública, Marielle Franco tinha 38 anos, era oriunda da favela da Maré, na Zona Norte, e ativista em prol das causas das mulheres e das populações negra, periférica e LBGT. Antes do cargo político, atuou na Comissão de Defesa dos Direitos Humanos da Alerj.

 

OS HOMENAGEADOS

INSTITUTO AZ MINAS

MAPA DAS MINAS

MOVIMENTO NEGRO UNIFICADO

FLÁVIA OLIVEIRA

COALIZÃO NEGRA POR DIREITOS

ONG CRIOLA

MÍDIA NINJA

ONG GELEDÉS

FUNDAÇÃO HEINRICH BÖLL

FUNDAÇÃO ROSA LUXEMBURGO

ONG JUSTIÇA GLOBAL

CASA PRETA DA MARÉ

MARINETE DA SILVA

MÔNICA BENÍCIO

JAQUELINE MUNIZ

ANA PAULA MIRANDA

ORGANIZAÇÃO NIYARA ESPAÇO DE ACOLHIMENTO

COLETIVO ABSORVENDO AMOR

ONG ANISTIA INTERNACIONAL

BLOCO SE BENZE QUE DÁ

OUVIDORIA EXTERNA DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

INSTITUTO PRO MUNDO

COLETIVO TRANSMARÉ

COLETIVA RESISTÊNCIA LÉSBICA

HERDEIRAS DE CANDACES

NÚCLEO PIRATININGA DE COMUNICAÇÃO

PROFESSOR AUGUSTO SAMPAIO

INSTITUTO FOGO CRUZADO

PROJETO CAROLINAS

COLETIVO PAPO RETO

SUELI CARNEIRO

LUCIA XAVIER

ONG REDES DA MARÉ

ORGANIZAÇÃO OBSERVATÓRIO DE FAVELAS

JORNALISTA RAFAEL SOARES

ONG REDE NAMI

LUCIENE DA SILVA MOURÃO

JOVANNA CARDOSO DA SILVA

JUREMA PINTO WERNECK

FRANCIDÉLIA LIMA GOMES

LUCIANA BOITEUX

ADRIANA FACINA GURGEL DO AMARAL

DARCÍLIA ALVES

ÁUREA CAROLINA DE FREITAS E SILVA

DÉBORA AMBRÓSIA

ANA BEATRIZ BERNARDES NUNES

RENATA MARTINS DE FREITAS

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais