Rio

Violência política contra a mulher foi debatida por parlamentares na Alerj

Deputadas e vereadoras defendem que essas agressões sejam caracterizadas como falta de decoro

Foto: Júlia Passos/Alerj
Credit...Foto: Júlia Passos/Alerj

Cerca de 78% das mulheres negras que se candidataram a cargos políticos sofreram ataques virtuais na eleição passada. O dado foi levantado pelo Instituto Marielle Franco e divulgado durante audiência pública realizada na sexta-feira (5) pela Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. O encontro promovido para debater a violência política de gênero teve a participação de parlamentares de diversas casas legislativas.

A presidente da Comissão dos Direitos da Mulher, deputada Enfermeira Rejane (PCdoB), apresentou a proposta de criação de um projeto que caracterize as agressões ocorridas no âmbito da política como falta de decoro. A intenção é costurar uma ação nacional, que envolva assembleias e câmaras de vereadores de todo o País.

Rejane ressalta que é necessário um debate com todas as linhas ideológicas, independente de partido. "Precisamos realizar uma reflexão profunda. Esse espaço de poder é nosso. Somos 53% da população e estamos vivenciando a violência todos os dias. Seja com a roupa, com o cabelo, com o jeito de viver, tudo. Não adianta trabalharmos isoladamente. Essa luta tem que ser feita coletivamente", afirmou.

A vice-presidente da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, deputada Renata Souza (PSol), apresentou ainda dados da pesquisa do Instituto Marielle Franco, que mostram que 45% dos autores dos ataques contra as candidatas não foram identificados. Cerca de 25% dos responsáveis eram candidatos de grupos políticos adversários e 15% eram integrantes de grupos racistas e neonazistas.

 

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais