Rio

Governador do Rio diz que operação que terminou com 25 mortos foi ação de 'inteligência'

O governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, afirmou que a operação da Polícia Civil realizada no Jacarezinho foi 'ação pautada e orientada por longo e detalhado trabalho de inteligência e investigação'

Folhapress / Carlos Elias Junior/Fotoarena
Credit...Folhapress / Carlos Elias Junior/Fotoarena

A operação terminou com 25 mortos, sendo 24 civis e um policial. A polícia disse que as vítimas eram traficantes, mas não revelou suas identidades e os crimes que teriam cometido.

Segundo a polícia, foram necessários 10 meses de trabalhos para a conclusão da operação. Especialistas em segurança pública e a Defensoria Pública criticaram a ação, considerada a mais letal da história do estado do Rio de Janeiro, devido ao alto número de mortos.

O Ministério Público informou que vai abrir investigação independente sobre os fatos ocorridos no Jacarezinho, e que está apurando "fundamentos e circunstâncias que envolvem a operação e mortes decorrentes da intervenção policial".

O órgão disse que o canal de atendimento do MP recebeu denúncias sobre a ocorrência de "abusos".

Por meio de nota, o governador disse ainda ser "lastimável que um território tão vasto seja dominado por uma facção criminosa que usa armas de guerra".

 

'Mínimo de inteligência'

A presidente da Comissão dos Direitos Humanos da Câmara Municipal, vereadora Teresa Bergher (Cidadania) afirmou que é preciso "cobrar da polícia um mínimo de inteligência, para evitar novos banhos de sangue, que não resolvem absolutamente nada".

A operação ocorreu na manhã desta quinta-feira (6) na zona norte do município do Rio de Janeiro. Além dos mortos, cinco pessoas ficaram feridas, duas delas em um vagão do metrô que passava pelo local.

A polícia afirmou que o alvo da operação, batizada de Exceptis, foi uma facção criminosa que atua na favela do Jacarezinho, que seria responsável por homicídios, roubos, sequestros de trens e o aliciamento de crianças para atuarem no tráfico local.

Agentes percorreram diferentes pontos da comunidade com auxílio de blindados, em viaturas e a pé. O delegado Ronaldo Oliveira negou que tenha havido execução. "Para deixar bem claro: quem não reagiu, foi preso. Ou foi preso ou fugiu", afirmou.

Moradores, no entanto, relatam que a ação da polícia ficou extremamente violenta após a morte do agente.

Determinação do STF

A Polícia Civil afirmou ainda que a realização da operação foi comunicada ao Ministério Público. Recentemente, o Supremo Tribunal Federal determinou que as ações em comunidades no Rio de Janeiro, para ocorrer, precisam ser comunicadas ao órgão para receber autorização.

A decisão permite ações apenas em "hipóteses absolutamente excepcionais". A polícia e autoridades do governo estadual argumentam que o decreto prejudica o combate ao crime. O delegado Rodrigo Oliveira afirmou que "a falta de operação dá um péssimo resultado".

O argumento para a suspensão das operações são os relatos de abusos da polícia e os constantes casos de mortes de inocentes. (com agência Sputnik Brasil)

Discurso 'bolsonarista'

No Twitter, diversos internautas observaram o "tom bolsonarista" do discurso dos responsáveis pela operação, em entrevista coletiva após a matança. Na mesma rede social, os três filhos do presidente Bolsonaro comemoraram as mortes.

***

LEIA AQUI A REPERCUSSÃO NO TWITER

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais