A praça que tem medo do verão

Moradores e comerciantes duvidam das promessas e esperam novas enchentes, um problema crônico josé luiz de pinho p ara a maioria dos cariocas, verão é motivo de férias, festa, sol, praia. mas, para comerciantes e moradores da praça da bandeira, que eles já rebatizaram de “praça da bandalheira”, a estação que começa daqui a 11 dias é sinônimo de sofrimento e prejuízo, devido às enchentes causadas pelas tempestades sazonais. o temporal, no início da noite de ontem, voltou a deixar todos em alerta.

– basta um raio cair, que já é um desespero total. só este ano, já enfrentei cinco enchentes, um prejuízo de mais de r$ 30 mil em mercadorias – reclama jorge ferreira, um dos comerciantes mais antigos da praça, dono de um bazar na área há 12 anos.

Desolado, jorge mostra as mercadorias de natal e brinquedos destruídos pela chuva de domingo. ele lamenta os r$ 10 mil de iptu que diz pagar todo ano à prefeitura.

– domingo, a água na loja chegou a um metro de altura. a prefeitura podia nos isentar de impostos por causa do prejuízo – sugere. – estou cansado de reclamar, e não saio daqui porque não tenho recursos para abrir loja num shopping.

A informação da prefeitura de que as obras para pôr fim às enchentes na praça começarão no segundo semestre de 2011 e deverão ser concluídas, em 2013, não convencem adriano santos, 35 anos, o gerente de um mercado.

– há 10 anos escuto essa ladainha, e esses projetos nunca saem do papel – critica adriano, que ficou até duas horas da madrugada de segunda-feira limpando o mercado com os empregados. – são 18h15, era para o mercado estar cheio, mas com céu nublado e ameaça de chuva, a freguesia fica com medo.