Cassação de vereador negro, Renato Freitas, vira caso de racismo na Câmara de Curitiba

...

Foto: reprodução
Credit...Foto: reprodução

Lia Bianchini, no Brasil de Fato PR - Através de sua conta de e-mail oficial da Câmara de Curitiba, o vereador Sidnei Toaldo (Patriota) teria enviado mensagem com ofensas ao também vereador Renato Freitas (PT), nesta segunda (09). Toaldo é relator do Processo Ético Disciplinar (PED) do qual o petista é alvo.

Na mensagem assinada por Toaldo, afirma-se que o “advogadozinho de porta de cadeia” de Freitas não conseguirá “evitar o inevitável”, que seria a cassação do petista. O texto ainda diz que a Câmara de Vereadores não é lugar para Freitas e o manda voltar para a senzala. “Eu não tenho medo de você ou dos esquerdistas vagabundos que te defendem, seu negro”, lê-se, em trecho.

“A câmara de vereadores de Curitiba não é seu lugar, Renato. Volta para a senzala. E depois de você vamos dar um jeito de cassar a Carol Dartora e o Herivelto”, continua o texto da mensagem, referindo-se aos outros dois vereadores negros da Casa.

O e-mail é finalizado com as frases: “vamos branquear Curitiba e a região Sul, queira você ou não. Seu negrinho.”

 

Macaque in the trees
Vereador Renato Freitas, de Curitiba (PR) (Foto: reprodução)

 

Mensagem foi enviada nesta segunda (09/05), através do e-mail oficial do vereador Sidnei Toaldo / Reprodução/ Via BDFCom o assunto “Mensagem para o vereador Renato”, o texto ainda ofende outra vereadora da Câmara, sem citar nome, chamando-a de “vagabunda”, que teria vazado áudios em que o vereador Márcio Barros expõe articulação no Conselho de Ética para cassar o mandato de Freitas.

As ofensas se estendem, ainda, ao ex-presidente Lula e ao ex-governador do Paraná, Roberto Requião, que estariam entre os defensores de Freitas. “Eu não tenho medo do Requião, ou melhor, do Requiladrão, aquele safado que devia estar preso junto com o cachaceiro analfabeto do Lula”, diz trecho do texto enviado pela conta do relator.

 

Crime cibernético

A reportagem do Brasil de Fato Paraná entrou em contato com a assessoria de comunicação do vereador Sidnei Toaldo. Por telefone, a assessora informou que o e-mail não foi enviado “de dentro da Câmara e não saiu da caixa de mensagem do vereador.”

Disse ainda que o vereador irá entrar com denúncia por crime cibernético para levantar o IP (endereço que identifica uma rede ou um dispositivo na internet) do qual saiu a mensagem.

 

_______

 

Requião afirma que cassação de vereador Renato Freitas seria racismo da Câmara de Curitiba

Esmael Morais, 8/5/22 - O ex-senador Roberto Requião (PT), pré-candidato ao governo do Paraná, disse neste domingo (08/05) que a cassação do vereador Renato Freitas (PT) seria manifesto racismo da Câmara Municipal de Curitiba.

– Não elogio o ato de Renato Freitas na igreja do Rosário, foi um erro. Um erro que não deve ser repetido. Mas cassá-lo do mandato de vereador é expressão de racismo, abominável e nada cristã – disse Requião.

Renato Freitas é acusado de quebra de decoro por entrar na Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, em 5 fevereiro, durante protestos de repúdio ao assassinato do congolês Moïse Kabagambe e de Durval Teófilo Filho – vítimas de racismo.

Requião fez um apelo para que os vereadores curitibanos não cassem o vereador negro.

– Espero de meus amigos vereadores avaliação inteligente e civilizada, mantendo Renato – pediu. “Apreciaria muito se está minha opinião chegasse ao conhecimento de todos vereadores e vereadoras de Curitiba.”

O relatório do vereador Sidnei Toaldo (Patriota), que pede a cassação do vereador, será lido na terça-feira (10/05).

Se aprovado no Conselho de Ética, o parecer irá á votação no plenário da Câmara.

 

 

Macaque in the trees
Detalhe do suposto e-mail (Foto: reprodução)



E-mail direcionado a Freitas, que teria sido enviado pelo vereador Sidnei Toaldo (Patriota)
[O PATRIOTA] Sidnei Toaldo, vereador paranaense, acusado de racismo
Vereador Renato Freitas, de Curitiba (PR)


Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais