Bancada da PF na Câmara celebra aumento: 'Cada governo tem a sua prioridade'

'Se a esquerda voltar ao poder, não teremos nada. E nem os militares. Eles vão colocar tudo [recursos do orçamento] em políticas sociais. Cada governo tem sua linha de atuação', diz líder da 'bancada da bala' na Câmara

Foto: Folhapress / Adriano Vizoni
Credit...Foto: Folhapress / Adriano Vizoni

Parlamentar federal e um dos líderes da bancada da bala na Câmara, o deputado Sanderson concedeu entrevista sobre o aumento dado às polícias federais a partir de 2022.

O Congresso Nacional concluiu a votação do orçamento para o ano de 2022 na noite dessa terça-feira (21). O texto recém aprovado prevê R$ 1,7 bilhão para reajuste e reestruturação das carreiras de policiais federais no próximo ano.

O trecho que beneficia os servidores das forças de segurança foi alvo de críticas na imprensa e nas redes sociais, que acusaram o presidente Jair Bolsonaro de promover medidas para alavancar votos na corrida presidencial de 2022.

Em entrevista ao portal Metrópoles, o deputado Sanderson explicou que "estão fazendo alarde em relação a esse reajuste". Segundo ele, a média de reajuste para os policiais [da Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e agentes penais do Depen] será de 10%. Para quem está há anos sem reajuste, é até irrisório".

O deputado, que também é vice-líder do governo, afirmou se tratar de uma reestruturação das carreiras. "A bancada tem seu peso, mas nem foi isso. O desejo do presidente e a pressão foram fortes", comentou.

Parlamentares ligados diretamente à Polícia Federal (PF) e a Polícia Rodoviária Federal (PRF) atuaram para convencer o relator do orçamento, o deputado Hugo Leal, a inserir o aumento para essas categorias no seu texto.

Na Câmara, existem sete deputados policiais e delegados da PF, entre os quais Eduardo Bolsonaro, filho do presidente. Outros cinco são vinculados diretamente à PRF, onde fizeram carreira.

O deputado Sanderson foi o coordenador de seu partido, o PSL, na Comissão Mista de Orçamento. Ele explicou que, entre os argumentos para defender o aumento para as polícias, estão: os militares das Forças Armadas receberam, mas eles não; a categoria está sem reajuste há algum tempo; e os policiais são base de apoio do governo Bolsonaro.

"Conceder aumento aos policiais é uma pauta do Executivo, que já tinha concedido aos militares. Por que eles, e nós não? Será o último ano desse governo, comprometido com os policiais, que são sua base de apoio. É uma relação histórica e até agora o presidente Bolsonaro pouco tinha feito pelas polícias", disse Sanderson.

Ele ainda afirmou que entende que "cada governo tem sua prioridade". Para ele, "se a esquerda voltar ao poder, não teremos nada. E nem os militares. Eles vão colocar tudo [recursos do orçamento] em políticas sociais. Cada governo tem sua linha de atuação", sentenciou. (com agência Sputnik Brasil)

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais