CPI da Covid marca depoimento de Luciano Hang para dia 29

Mãe do dono da Havan teve certidão de óbito fraudada

Foto: reprodução
Credit...Foto: reprodução

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 no Senado marcou para o dia 29 de setembro o depoimento do empresário Luciano Hang, dono da rede de lojas Havan e um dos principais apoiadores do presidente Jair Bolsonaro no setor empresarial. A convocação havia sido aprovada em junho, mas sem data definida.

Hang voltou à cena após o depoimento do diretor-executivo da Prevent Senior, Pedro Benedito, que reconheceu que a rede hospitalar alterava o prontuário médico de pacientes com Covid-19 após 14 ou 21 dias de internação.

A mãe do empresário, Regina Hang, teria sido uma das vítimas dessa fraude. Ela foi internada no hospital Santa Maria Maggiore, que pertence à rede, por ter contraído o coronavírus Sars-CoV-2, mas o atestado de óbito não apresenta como uma das causas do falecimento a Covid-19.

Segundo apurações do jornal "O Estado de S. Paulo" e da Rede Globo, com base em um dossiê de médicos e ex-profissionais da Prevent Senior, os pacientes recebiam o chamado "kit Covid", alardeado pelo governo de Bolsonaro como "tratamento preventivo", mesmo que tivessem apenas com suspeita da doença.

A instituição teria conduzido um estudo clínico - que depois chamou apenas de compilação de dados - para atestar a eficácia das drogas, que incluem cloroquina, hidroxicloroquina, azitromicina, entre outros.

Inúmeros são os estudos internacionais que mostram que essas medicações não tem nenhuma eficácia contra a Covid-19 e podem aumentar os riscos de reações graves em pessoas com problemas cardíacos.

Em postagens nas redes sociais, após a morte da mãe, Hang chegou a dizer que a idosa não recebeu o "tratamento precoce" e questionou o que poderia ter acontecido se ela tivesse tomado.

Nos prontuários médicos que os veículos de imprensa tiveram acesso, porém, consta que ela recebeu o "kit Covid".

Além do dono da Havan, também foi convocada a advogada da Prevent Senior, Bruna Morato, para falar sobre as possíveis irregularidades cometidas pelo plano.(com agência Ansa)

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais