Perfil de Ciro Nogueira reforça atuação de cacique e alinhamento com Bolsonaro

O novo ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira, tem um histórico alinhado ao presidente Jair Bolsonaro no Senado e nas redes sociais e uma atuação nas principais comissões da Casa, conforme levantamento da Inteligov feito com exclusividade ao Broadcast Político

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Credit...Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O novo ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira, tem um histórico alinhado ao presidente Jair Bolsonaro no Senado e nas redes sociais e uma atuação nas principais comissões da Casa, conforme levantamento da Inteligov feito com exclusividade ao Broadcast Político. O perfil reforça a intenção de Bolsonaro de aumentar a articulação política no Congresso ao trazer um dos principais caciques do Centrão para a cozinha do Palácio do Planalto.

Ciro Nogueira é presidente do PP, senador desde 2011 e está no segundo mandato na Casa. O histórico de votações no plenário mostra um alinhamento de 77,97% com o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), o que indica uma identidade às pautas defendidas por Bolsonaro. Bezerra é o parlamentar que Ciro Nogueira teve a maior identidade em votações na comparação com todos os demais senadores.

"É possível ver um alinhamento relativamente alto com o líder do governo. Além disso, a maior parte das proposições que ele apresenta são requerimentos, o que mostra um parlamentar voltado para dentro da Casa e não tanto para fora. Certamente, isso demonstra essa capacidade de articulação interna na Casa legislativa", disse o diretor de operações da Inteligov, Diogo Jodar.

Atualmente, Nogueira é titular das principais comissões do Senado, entre elas a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) e a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, sendo um dos integrantes da tropa de choque de Bolsonaro na comissão de investigação onde o chefe do Executivo enfrenta desgaste. Na CCJ, comissão por onde passam os principais projetos antes do plenário, o parlamentar tem a principal atuação, conforme o raio X da Inteligov nos dados do Legislativo.

A análise da Inteligov mostra ainda que 60% das menções a "Bolsonaro", "presidente" e "governo" nas publicações de Ciro Nogueira desde 2019 no Twitter foram positivas, frente a 30% negativas. O restante das mensagens tem caráter misto. O Piauí, reduto eleitoral do senador e onde ele é cotado para uma candidatura estadual, é o principal tema das mensagens do parlamentar na rede social.

Ciro Nogueira é apontado como candidato ao governo do Piauí em 2022. Nas redes sociais,ele tem feito críticas sistemáticas ao atual chefe do Executivo estadual, Wellington Dias (PT), opositor de Bolsonaro. O senador negocia a filiação de Bolsonaro no PP para as eleições presidenciais do ano que vem. "Ele fala pouco sobre pandemia e tem uma atuação bastante municipalista, é um parlamentar interessado em temas locais. Ele fala muito mais do Piauí do que de qualquer assunto de destaque na política nacional", afirmou Jodar ao analisar os dados.

Ao aceitar o convite para a Casa Civil, Ciro Nogueira foi às redes sociais para reforçar o caráter de articulação política do novo cargo, mencionando inclusive parceria com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), do mesmo partido. Ele não fez, no entanto, nenhuma menção ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), que tem adotado posicionamentos críticos a Bolsonaro e se colocado como opção para as eleições presidenciais.

"Peço a proteção de Deus para cumprir esse desafio da melhor forma que eu puder, com empenho e dedicação em busca do equilíbrio e dos avanços de que nosso país necessita", escreveu Ciro Nogueira ao anunciar a decisão. "Muito feliz em fazer parte desse grande time de ministros, trabalhando unidos, sob a liderança do PR @jairbolsonaro, pelos brasileiros. Tenho certeza também de que contaremos com o apoio do meu querido amigo @ArthurLira_, presidente da Câmara dos Deputados, nessa honrosa missão", escreveu o senador, em outra publicação.(Daniel Weterman/Agência Estado)