Decisão do Exército gera desgaste para Marinha e Aeronáutica, dizem integrantes das Forças Armadas

Oficiais dizem que caso gera precedente perigoso com risco para disicplina e hierarquia militares

Facebook
Credit...Facebook

Integrantes das Forças Armadas avaliam que a decisão do Exército de isentar o general Eduardo Pazuello de punição por ter participado de ato político com o presidente Jair Bolsonaro expõe negativamente a Marinha e a Aeronáutica.

Embora cada Força seja independente, brigadeiros e oficiais da Marinha dizem que se cria um precedente perigoso a favor de quem agir politicamente no futuro e gera risco para a disciplina e a hierarquia, caras aos militares.

General reformado fala em desmoralização e cita caso Pazuello como precedente para política entrar nos quartéis

O general reformado Paulo Chagas afirma que a decisão do Exército de não punir o ex-ministro Eduardo Pazuello pela participação em um ato político com Jair Bolsonaro ameaça a disciplina e abre precedente para a política entrar nos quartéis.

Na visão do militar, o presidente Jair Bolsonaro, Pazuello e o comandante do Exército, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, contribuem para a desmoralização da instituição.

O general afirma ainda que a decisão “põe em risco” a autoridade do comandante da Força e faz com que a postura de Bolsonaro, enquanto militar, passe a ser exemplo para a tropa.

“De capitão indisciplinado, de maneira pensada, foi a público criticar o Comando do Exército, foi punido, tornou-se popular, candidatou-se a vereador, foi eleito, passou à reserva e 3 décadas mais tarde foi eleito Presidente da República. Está traçado o caminho, é só copiar”, diz ele.

O Exército acatou os argumentos de Pazuello sobre a participação no ato. "Não restou caracterizada a prática de transgressão disciplinar por parte do general Pazuello. Em consequência, arquivou-se o procedimento administrativo que havia sido instaurado", disse em nota.(Folhapress)