ASSINE
search button

É preciso resistir à privatização da Eletrobrás

...

Compartilhar

Na última terça-feira (15), o Tribunal de Contas da União deu o aval para que o governo Bolsonaro prossiga com a privatização da Eletrobrás e a liquidação equivocada e criminosa de um valioso bem público que terá consequências gravíssimas para o desenvolvimento do Brasil.

Na afobação de entregar o patrimônio construído com o esforço coletivo de gerações de brasileiros, o governo Bolsonaro corre para vender a nossa “holding das holdings” de energia a um preço vil. Dos R$ 130 bilhões que valem a Eletrobrás, o governo quer praticamente doar a empresa por R$ 67 bilhões.

Responsável pela produção de boa parte da energia brasileira, a Eletrobrás não pode ser tratada como um brinquedo que um governo incompetente e carcomido use para agradar o tal “mercado”. Manter a estatal sob a guarda do Estado é uma questão de soberania, segurança energética e aproveitamento de nossa competitividade.

E é o povo, que bancou, com seu trabalho e esforço, a construção e consolidação da Eletrobras, que vai pagar a conta dessa aventura irresponsável e antipatriótica: hoje, a Eletrobrás consegue vender energia a R$ 65 o megawatt/hora. Com a privatização, o preço pode subir pra mais de R$ 300.

A mordida no orçamento doméstico das famílias vai muito além do aumento na conta de luz. Com o encarecimento da energia, sofreremos os efeitos do aumento do custo da produção industrial e do agronegócio, o que significa mais carestia para todos.

Essa operação de entrega da Eletrobrás ao setor privado é a mais grave, mais complexa e mais inconsequente das "privatizações" que estão sendo feitas no Estado brasileiro de hoje. Há privatizações necessárias e privatizações totalmente desnecessárias, equivocadas e até mal-intencionadas. A privatização da Eletrobrás é uma privatização criminosa.

Trata-se de abrir mão do controle acionário da “holding das holdings” do sistema elétrico brasileiro, chamada Eletrobrás, e, abaixo dela, de todos os guarda-chuvas regionais: a Eletronorte, a Chesf, Furnas, para os sudestinos e, para a Região Sul, Eletrosul.

Mas esse não é um atentado contra o futuro do país que Bolsonaro e Paulo Guedes vão praticar sem que haja resistência. Depois deles, o dilúvio? Não. Há quem lute para que ainda haja um Brasil possível quando a democracia e a cidadania encerrarem de vez esse ciclo nefasto.

Vamos lutar, vamos denunciar, recorrer à Justiça e às ruas.

Estamos diante de uma privatização que tem apenas e tão somente os ânimos arrecadatório, ideológico e eleitoreiro. Bolsonaro e Paulo Guedes querem apenas cumprir a promessa vã de vender estatais por razões ideológicas.

Sei que é querer demais que essa dupla compreenda a importância do papel que o Estado brasileiro deve exercer na economia e principalmente no setor energético. Mas entregar a Eletrobrás na bacia das almas é demais até para esses cupins da coisa pública.

Vamos resistir!

*Senador (PT-RN) e líder da Minoria no Senado.