Policial que denunciou irregularidades diz que provas “vão surgir em breve”

O policial militar João Dias Ferreira disse hoje (18) que “vão surgir em breve” as provas que comprovam a participação do ministro do Esporte, Orlando Silva, em um esquema de recebimento de propina a partir de fraude em contratos do Programa Segundo Tempo. O policial se reuniu com senadores e deputados de partidos da oposição ao mesmo tempo em que Orlando Silva prestava esclarecimento na Câmara dos Deputados.

“Vão surgir, em breve, vários documentos que vão comprovar essa situação. Reafirmo que as provas são naturais. E as provas que me refiro são os documentos fraudulentos”, disse. “Eu e minhas duas entidades, que eu administrava, somos a primeira peça do dominó”, completou.

Ferreira, que a denúncia para a última edição da revista Veja, disse que encaminhou um ofício ao Ministério da Justiça pedindo proteção por temer um atentado. "Estou aqui porque um vizinho do meu condomínio disse que tem percebido intensas movimentações ao redor da minha residência. Tenho sofrido ameaças há mais de dois anos. Se eu me acovardar, como muitos fizeram, as coisas não vão mudar. Não temo, mas não desafio”.

De acordo com o policial, existem irregularidades em mais de 300 convênios assinados com o Ministério do Esporte. Apesar de ter adiado o depoimento que faria hoje pela manhã à Polícia Federal, João Dias Ferreira declarou que está à disposição das autoridades para prestar esclarecimentos sobre as denúncias contra o ministro. “A verdade é única e ela irá aparecer. Estou à disposição da Polícia Federal, do Ministério Público, desta Casa e dos senhores jornalistas. Não temos nada a temer. As coisas não estão se encerrando com essa audiência pública do ministro [na Câmara]. Tem muita água para rolar e muitas coisas virão”, disse.

O policial ressaltou que não está acusando diretamente o governo nem o PCdoB, mas sim um esquema de corrupção que existe dentro do Ministério do Esporte. "Não estou acusando o governo de nada, denunciando situações vinculadas exclusivamente ao Ministério do Esporte. Quero contribuir. Não estou atacando nem mesmo o atual ministro Orlando Silva. Estou tentando revelar o sistema fraudulento que está no interior do Ministério do Esporte. Não vou deixar minha honra e a honra do povo brasileiro se degradarem em virtude dessa situação", disse.

Perguntado por que fez as denúncias somente agora, já que segundo ele mesmo as irregularidades vêm ocorrendo há oito anos, João Dias Ferreira disse que trata-se de uma "jogada jurídica" devido ao momento em que o Brasil está se preparando para realização da Copa do Mundo. "Se fosse em outro momento, talvez não tivesse repercussão."