Menino que atirou em professora tinha desenho com armas em punho na mochila

A delegada titular do 3º Distrito Policial de São Caetano do Sul (Grande SP), Lucy Fernandes, disse que a polícia encontrou no material escolar do menino de 10 anos - que atirou em uma professora e se matou - um desenho em que ele se retrata com 16 anos e aparece com duas armas em punho, ao lado de um professor, de acordo com informações do jornal O Estado de S.Paulo.

O pai do estudante, que é guarda municipal, afirmou que foi até a escola quando deu pela falta do revólver, que ficava escondido em um armário, procurando pelos dois filhos (o mais velho de 14 anos). 

>> Secretário: arma usada por menino não é da Guarda Municipal

As crianças contaram ao pai que não sabiam do paradeiro da arma. Pouco depois, o guarda municipal recebeu uma ligação do filho mais velho, com a notícia do incidente. 

O pai ainda se lamentou, dizendo que deveria ter olhado a mochila do filho, em depoimento informal à delegada do 3º DP de São Caetano.

A polícia não soube informar como a criança conseguiu entrar na Escola Municipal Alcina Dantas Feijão com o revólver 38. De acordo com a PM, o estudante discutia dentro da sala de aula com a professora Rosileide Queiros de Oliveira, 38 anos, quando, por volta das 15h50, disparou contra a docente, que foi atingida na altura do quadril, diante de 25 crianças.

 Em seguida, segundo o relato de testemunhas, o menino se retirou da sala de aula e disparou contra a própria cabeça. Ambos foram socorridos com vida. O aluno foi atendido no Hospital de Emergência Albert Sabin, na avenida Keneddy, em São Caetano do Sul, e teve duas paradas cardíacas, sendo declarado morto às 16h50. A professora foi levada pelo helicóptero Águia ao Hospital das Clínicas, em São Paulo, e seu estado de saúde é considerado estável, sem risco de morrer.