Médica que colocou agulhas com HIV no muro de casa pode ser punida

O Conselho Regional de Medicina (CRM) de Brasília publicou uma nota condenando a atitude da médica que colocou seringas contaminadas pelo vírus HIV no muro de sua casa  para defendê-la de assaltantes em Sobradinho, DF. A médica pode ser punida com um advertência e ter seu registro cassado, de acordo com informações do CRM, que afirma que um profissional não pode usar seu conhecimento para causar sofrimento físico ou moral.

A secretaria de Saúde também deve abrir sindicância para apurar o caso, já que a mulher trabalha na rede pública e pegou as seringas sem autorização. Ela é ortopedista no Hospital Regional do Paranoá. 

A atitude da médica, que não quis ser identificada, chocou os moradores de seu condomínio. As seringas, que foram presas às grades com fita crepe, já haviam sido retiradas do muro nesta segunda-feira. Entretanto, o cartaz com a frase "Muro com HIV positivo. Não Pule" ainda estava no local. 

A mulher admitiu ter pego as seringas em seu local de trabalho e afirmou ter feito isso porque estava cansada de ser roubada. Itens como cortador de grama, secador de cabelo, máquina fotográfica e televisão já sumiram de sua casa.

Os vizinhos da médica não gostaram nem um pouco da "solução" contra ladrões, e a síndica do condomínio, Vera Barbieri, garantiu ter notificado a moça e que ela terá cinco dias para retirar o material. Caso contrário, será multada.

Vera contou que procurou a Polícia Civil e Vigilância Sanitária, que teriam dito para a que não poderiam fazer nada.