São Paulo tem mais de 26 mil pais foragidos por não pagar pensão

O Estado de São Paulo tem 26,2 mil pais foragidos após ter a prisão decretada por atraso no pagamento da pensão alimentícia. Desse total, 7,5 mil é procurada na capital. "Não imaginava que teriam tantos assim", disse o juiz Homero Maion, da 6ª Vara da Família Central da capital. A surpresa com o número é causada porque a decisão de expedir ordem de prisão contra o pai ou a mãe é a última medida tomada nas ações de cobrança dos débitos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

A prisão foi o recurso aplicado, por exemplo, no caso do ex-jogador de futebol Zé Elias, 34 anos, que alega não ter dinheiro para arcar com uma dívida de R$ 932 mil. Essa é a justificativa recorrente dos pais devedores, de acordo com a defensora pública Claudia Aoun Tannuri. O pagamento da pensão pode ser exigido na Justiça a partir do primeiro dia de atraso. A partir disso, os juízes buscam alternativas para cobrar o débito, como parcelamentos. Depois, pode-se executar os bens da pessoa. Se todas as alternativas falharem, resta a prisão.