"Tem uma parte do kit que eu também não gostei", diz ministro Fernando Haddad

Brasília - O minsitro da Educação, Fernando Haddad, falou em entrevista coletiva nesta quinta-feira sobre a decisão da presidente Dilma Rousseff de suspender a produção e distribuição de um kit anti-homofobia nas escolas públicas. Haddad disse que "realmente não gostou" de uma parte do material que estava sendo preparado e negou a informação divulgada por alguns parlamentares de que o kit já estava sendo distribuído. A respeito dos vídeos que integram o kit, o ministro disse que a comissão "fará os apontamentos necessários para uma reformulação" e que "poderão ser integralmente refeitos".

O ministro disse que as conversas com as bancadas vão continuar e que representantes de movimentos ligados à comunidade LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transexuais) também serão ouvidos.

Ao citar as críticas da bancada religiosa do Congresso Nacional, Haddad disse que não descumpriu os acordos definidos com os deputados evangélicos e católicos em reunião sobre o tema.

Nos debates com as bancadas religiosas, que têm criticado o material, o ministro destacou que não houve pedidos "para que se deixe de combater a homofobia no país". O ministro criticou, no entanto, a informação divulgada por alguns parlamentares de que o Ministério da Educação havia descumprido o acordo porque o material já estava nas escolas. "Em um ambiente em que alguém diz isso é muito difícil construir um entendimento".

Questionado se havia sido pego de surpresa com a decisão da presidente, Haddad negou. "Não, porque essa decisão já tinha sido tomada uma semana antes pelo próprio ministério. A surpresa foi, por razões de boatos, esse acordo (com as bancadas) ter sido tomado como descumprido".

Haddad afirmou que o material voltado ao combate à homofobia nas escolas deverá ser reavaliado pelo Comitê de Publicações do Ministério da Educação e por uma comissão que será criada a pedido da presidente Dilma. Segundo o ministro, as comissões deverão "verificar a melhor maneira de abordar o tema".