Defesa Civil nega interferência de vereador em doações em São Paulo

O coronel Jair Paca de Lima, coordenador geral da Defesa Civil do município de São Paulo, negou nesta quinta-feira, em depoimento na Câmara Municipal, irregularidades no envio a instituições paulistas de donativos recolhidos pelo órgão para ajudar as vítimas das chuvas na região serrana do Rio de Janeiro. Denúncias divulgadas pela imprensa apontam que o material teria sido desviados para, supostamente, beneficiar o vereador Ushitaro Kamia (DEM).

Em reportagem veiculada na quarta-feira pela Rádio Bandeirantes, uma funcionária da Defesa Civil disse ao telefone que doações seriam facilitadas com indicações de vereadores. Segundo a assessoria de imprensa da Câmara Municipal, além de explicar que parte do que foi arrecadado não chegou ao Rio de Janeiro por pedido da própria Defesa Civil local, o coronel afirmou que nunca recebeu pedidos de vereadores e tampouco tem conhecimento de que algo semelhante teria acontecido com outros funcionários.

Ele confirmou que 250 kg de materiais foram encaminhados à fundação Oriente/Ocidente, ligada a Kamia, porém afirmou que a instituição passou pelo mesmo processo que outras beneficiadas pelas arrecadações da Defesa Civil.

Presente à reunião, Kamia negou as acusações e afirmou que apenas contribui com a associação, da mesma forma que faz com muitas outras entidades na zona norte de São Paulo. Ele também declarou que não tem nenhuma relação com a Defesa Civil nem com a indicação de cargos no órgão, o que foi endossado pelo coronel Paca de Lima.