Ex-reitor da Ulbra é indiciado por falsidade ideológica no Rio Grande do Sul

O ex-reitor da Universidade Luterana do Brasil (Ulbra) Ruben Becker foi ouvido e indiciado na manhã desta segunda-feira na Superintendência da Polícia Federal (PF) no Rio Grande do Sul. Ele foi indiciado por falsidade ideológica e fraude durante um processo de execução fiscal da instituição com a União.

A investigação apontou falsificação nas assinaturas dos vendedores de terrenos ofertados por Becker como garantia. Segundo a PF, os bens foram ofertados por um valor 30 vezes maior que o de mercado. A fraude teria sido realizada durante a gestão do ex-reitor.

Operação Kollektor
Em 2009, a PF deflagrou a operação Kollektor, por meio da qual foi investigado um suposto esquema de desvio de dinheiro da Ulbra mediante a utilização de empresas fantasmas, ou inexistentes, para saquear a instituição.

Tais empresas, geralmente de consultoria, receberiam valores por serviços não prestados. Segundo a PF, mais de R$ 60 milhões foram desviados, distribuídos entre integrantes do grupo.

A operação investigou ainda lavagem de dinheiro, ocultação de bens e valores, peculato, desvios de verbas do Programa de Financiamento Universitário do Governo Federal (Prouni), crimes tributários e previdenciários, formação de quadrilha, entre outros.

Ainda em 2009, depois de 36 anos no cargo, Becker deixou o cargo na instituição. O ex-diretor da universidade em Palmas (TO) Marcos Fernando Ziemer foi escolhido em assembleia da Comunidade Evangélica Luterana São Paulo (Celsp) para substituí-lo.