Tiririca: "Crítica a participação em Comissão de Educação é preconceituosa"

BRASÍLIA - O deputado federal Tiririca (PR-SP) disse na terça-feira que as críticas por sua participação na Comissão de Educação e Cultura da Câmara são preconceituosas. Segundo ele, o preconceito " existiu até para eu chegar aqui, mas foi o povo que me colocou aqui e a voz do povo é a voz de Deus".

O parlamentar não falou sobre suas ideias de projetos, mas revelou que a UNE (União Nacional dos Estudantes) o procurou para levar propostas. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

Questionado sobre quando fará seu primeiro discurso em Plenário, respondeu que sabe que "a expectativa é grande" entre jornalistas e os próprios deputados. "Ainda não pensei qual será o tema, mas estou me preparando. Hoje, quando me soltam aqui no Congresso eu ainda me perco", afirmou.

Tiririca, que obteve 1,3 milhão de votos, teve a diplomação para o cargo ameaçada após suspeita de falsificar a declaração de que sabia ler e escrever. Ele foi inocentado pela Justiça Eleitoral depois de fazer uma prova de leitura e um ditado.

Indicação

De acordo com o líder do partido, Lincoln Portela (MG), a decisão foi tomada em conjunto com Tiririca, que pediu para integrar a comissão permanente, segundo seu gabinete.

"Ele é um humorista de êxito no Brasil, tem vasta experiência e pode contribuir culturalmente nessa área", disse o líder, acrescentando que Tiririca já deverá votar para eleger o presidente da comissão, na próxima semana.