Deputado mais votado do Pará é acusado de comprar votos

A Procuradoria Regional Eleitoral no Pará (PRE-PA) acusa o deputado federal Wladimir Afonso da Costa Rabelo (PMDB-PA) de comprar votos nas eleições de outubro, quando foi reeleito como o mais votado do Estado, com 236 mil votos.

Segundo representação encaminhada ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PA), Wladimir Costa oferecia gratuitamente cursos de informática em troca de apoio nas urnas.

Caso seja considerado pela Justiça, Wladimir Costa pode ser impedido de tomar posse ou pode ser cassado. Segundo a representação, enviada ao TRE no último dia 12, o candidato agiu com o apoio do irmão, Wlaudecir Antônio da Costa Rabelo, e de um funcionário de uma rádio do município de Itupiranga, no sudeste paraense. Alunos do curso de informática confirmaram à PRE-PA que carro de som circulava pelo município informando que Costa era o proprietário da rádio Jovem FM, onde o curso era oferecido.

O coordenador da rádio e coordenador da campanha do candidato, Murilo Santos Ferreira, afirmou que o curso era promovido pela empresa W. A. C. Rabelo e Cia Ltda., permissionária da rádio.

"Embora a empresa permissionária da rádio responsável pelo curso não tenha, formalmente, como sócio o representado Wladimir Costa, a apuração realizada deixou claro que é de reconhecimento unânime no município a vinculação entre o candidato e a rádio, sendo ele tido como proprietário pelos habitantes do local", observam os procuradores eleitorais André Sampaio Viana e Bruno Araújo Soares Valente no texto da representação.

Wladimir Costa foi o mais votado em Itupiranga, com 4.896 votos, o que representou 22,85% dos votos válidos no município. Segundo a PRE-PA, os números revelam "o sucesso da empreitada ilícita". A representação da PRE-PA ao TRE ressalta que, para configurar-se compra de votos, não é necessário que haja pedido expresso de voto, bastando a evidência de que a vantagem foi oferecida para a obtenção da contrapartida.