PRF registra 142 mortes no feriado e pede duplicação de pistas

 Brasília - A Polícia Rodoviária Federal (PRF) contabilizou 2.490 acidentes entre a 0h da última sexta-feira e a 0h de terça. O feriado de 15 de novembro também resultou em 1.465 feridos e 142 mortes nas estradas federais. Com estes números, o feriadão da República tornou-se o segundo mais violento do ano, atrás apenas do Carnaval, quando houve 3.233 acidentes e 143 mortes. Para a corporação, a duplicação de pistas ajudaria a reduzir os números.

Entre as causas apontadas pela PRF para o alto número de acidentes está o fato de este ter sido um feriado prolongado genuíno, ao contrário dos que caem terças ou quintas-feiras, que dependem de pontos facultativos para tornarem-se "feriadões".

A chuva fina também piorou as estatísticas, como explicou o chefe de comunicação da PRF, inspetor Alexandre Castilho. "A chuva regular, mas fina, lava o asfalto, mas não impede o motorista de viajar. Além disso, ele se sente seguro para dirigir como na pista seca", disse.

A imprudência dos motoristas foi a maior causa de acidentes. "O excesso de velocidade é o grande símbolo dessa imprudência".

De sexta a segunda, foram contabilizadas 62,2 mil infrações de trânsito, sendo que 60% delas por excesso de velocidade. Em média, sete motoristas por minuto foram flagrados pelos radares em velocidade superior à permitida na via.

A PRF defende a eficiência de seu esquema de fiscalização, mas não descarta a possibilidade de reposicionar as equipes para novos locais em um novo feriado com as mesmas características de 15 de novembro.

Duplicação

Outra medida que pode ajudar a reduzir as ocorrências não depende da Polícia Rodoviária, mas é defendida por ela: investir na duplicação das rodovias. "O governo tem tapado buracos, sinalizado as rodovias, mas não duplicado as pistas. É fundamental para a segurança no trânsito que o próximo passo seja a duplicação", disse Castilho.

Para além dessas medidas, é preciso conscientizar ainda mais os motoristas. "Resta clamar pela responsabilidade dos motoristas, porque realmente os casos de acidentes mostram um desrespeito pelas normas de trânsito", disse.

O Estado de Minas Gerais foi o que teve o maior número de acidentes, 430, e mortos, 35. Santa Catarina teve 290 acidentes, seguido por Paraná, com 272, Rio de Janeiro, com 200, e Rio Grande do Sul, com 186.

Em número de óbitos, o Pernambuco aparece em segundo lugar, com 13 ocorrências, seguido do Maranhão, com 11, Rio Grande do Sul, com 10, e Pará, com sete mortes registradas.