Preso suspeito de envolvimento na morte de ex-ministro do TSE

 

A polícia do Distrito Federal prendeu na segunda-feira, em Montalvânia (MG), um ex-porteiro que teria confessado o assassinato do ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) José Guilherme Villela, de sua mulher e da empregada do casal, em 2009. Um cunhado do homem também é suspeito de participar do crime. As informações são do DFTV.

Segundo a polícia, a delegada Débora Menezes descobriu o envolvimento do ex-porteiro no crime quando investigava um assassinato na região administrativa de Brasília. Parte do dinheiro roubado no apartamento no dia do crime teria sido usado para comprar um mercadinho e uma casa em Montalvânia, de acordo com as investigações. No depoimento, o ex-porteiro teria dito que as joias que levou durante o roubo estão escondidas na cidade mineira de Montes Claros. Com a prisão, a polícia pretende esclarecer se a morte foi encomendada.

O caso
Villela, sua mulher, Maria Carvalho Villela, e a empregada, Francisca Nascimento da Silva, foram encontrados mortos dentro do apartamento da família na Asa Sul, em Brasília, no final de agosto de 2009. Eles foram esfaqueados e tiveram os corpos esquartejados.

Os corpos foram encontrados nos apartamentos 601 e 602 do edifício Leme, depois que um chaveiro foi chamado para abrir as portas do imóvel, pois não havia sinais de arrombamento. Segundo o laudo do Instituto de Criminalística, pelo menos duas pessoas entraram nos imóveis, e as vítimas foram mortas com um total de 73 facadas. Os criminosos fugiram com US$ 700 mil em espécie e ao menos 12 joias - entre elas uma avaliada em US$ 28 mil.