Alckmistas e kassabistas mantêm disputa por candidatura em SP

REUTERS

SÃO PAULO - Mesmo após a declaração do presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra, de que a aliança com o DEM será desfeita na capital paulista e que cada partido terá candidato próprio nas eleições de outubro, tucanos e Democratas ainda não estão pacificados.

A ala favorável a que tucanos apóiem o ex-governador Geraldo Alckmin, sinônimo de candidatura própria, se diz tranquila depois da posição de Guerra e realizou na quinta-feira à noite uma festa-comício em um salão da capital.

O nome de Alckmin esteve em todos os discursos de palanque e não faltaram agressões verbais, como um militante que tratou o DEM por 'demo'.

O evento, que não contou com a presença de Alckmin que dava palestra em Ribeirão Preto, reuniu cerca de 800 pessoas e representantes de 46 dos 52 diretórios do PSDB na cidade, segundo os organizadores.

Em outro endereço da capital, partidários do PSDB e do DEM pela recondução de Gilberto Kassab (DEM) à prefeitura se reuniram em torno de uma palestra do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, agendada pelo diretório estadual da legenda ao custo de 2 mil reais por pessoa. O deputado Silvio Torres (PSDB-SP), articulador da candidatura de Alckmin disse:

-São definitivas as declarações do Sérgio Guerra. A partir de agora é outra tarefa, nós já estamos em campanha, não vamos mais perder tempo.

Torres, que compareceu primeiro à palestra de FHC, admitiu, no entanto, que 'opiniões contrárias podem permanecer durante toda a campanha eleitoral'.

Edson Aparecido, outro deputado federal da ala pró-Alckmin, afirmou que as articulações em torno da candidatura do ex-governador de São Paulo já foram iniciadas depois da declaração do presidente do partido, que na terça-feira levou a decisão da candidatura própria à Executiva tucana.

`A situação está mais tranquila agora', disse Aparecido, que também compareceu aos dois eventos. Ele argumenta que desde 1988, ano da fundação do PSDB, o partido concorre à eleição na capital.

Espécie de porta-voz da ala de tucanos que apregoa o apoio a Kassab, Walter Feldman, secretário de Esportes do município, saiu mais uma vez em defesa da aliança com o DEM. O secretário, que é remanescente da gestão José Serra na cidade, disse:

-Nossa opinião é que essa aliança ainda tem muita chance de ser mantida, então eu discordo do presidente Sérgio Guerra. Ele está deixando para São Paulo decidir.

Ele admite que, 'quanto mais confusão no nosso meio', melhor para a provável candidatura de Marta Suplicy (PT).

Vereadores do DEM divulgaram, durante a palestra do ex-presidente, uma carta em que apelam a que FHC e Serra utilizem sua influência para manter a coligação e ter um candidato único das duas legendas.

'Não estamos dizendo que seja o Kassab, poderá ser o Kassab', afirmou o vereador do DEM, Carlos Apolinário, líder da bancada, e signatário da carta. Segundo ele, a declaração de Guerra é apenas opinião pessoal, não do PSDB.

Cerca de 80 por cento da máquina da prefeitura é composta por tucanos, disse o vereador.