Ministro da Agricultura anuncia mudanças na fiscalização do leite

Agência Brasil

BRASÍLIA - O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Reinhold Stephanes, anunciou nesta segunda-feira, dia 29, mudanças na fiscalização da produção de leite brasileira.

Atualmente, o ministério tem fiscais fixos nas maiores empresas produtoras e rotativos, que atuam nas empresas de produção menor. As empresas também têm técnicos próprios para o controle de qualidade.

Segundo o ministro, os técnicos, que fazem a auditoria individualmente, serão aos poucos substituídos.

- Pretende-se adotar uma auditoria por amostragem, três ou quatro auditores juntos, para ver se esse sistema está funcionando como todos nós desejamos que funcione - disse.

De acordo com informação do ministério, no novo sistema, as equipes, formadas por três fiscais federais agropecuários (dois médicos veterinários e um agente de inspeção sanitária), serão responsáveis pela fiscalização do trabalho dos técnicos das empresas.

Além disso, o ministério intensificará a coleta de amostras para análise do leite, passando a fazer esse trabalho diariamente com produtores e empresas produtoras. Atualmente são coletadas 10 mil amostras por dia. Caso seja detectado que o produto não está em conformidade com as regras do ministério, pode ser rejeitado completamente ou destinado a subprodutos como manteiga e queijo, dependendo do grau de condenação da qualidade.

As medidas fazem parte do novo programa de inspeção que o ministério irá adotar para tentar evitar a recorrência de fraudes.

- O piloto do novo programa está em prática em Minas Gerais, mas, a partir de terça-feira, dia 30, os técnicos farão ajustes para estendê-lo a todo o país nos próximos dias - informou o diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal do Ministério da Agricultura, Nelmon Oliveira.

O Ministério da Agricultura conta com 210 fiscais para auditar 1.700 empresas produtoras de leite e laticínios. Segundo Oliveira, apesar de não poderem estar presentes diariamente nas empresas, em função da defasagem de fiscais, o ministério pretende fazer uma auditoria mais completa em cada visita.