PF teria sido contrariada com exclusão de Vavá

Portal Terra

BRASÍLIA - A nota emitida na última terça-feira pelo Ministério Público Federal (MPF) sobre a denúncia contra 39 suspeitos de envolvimento com a máfia dos caça-níqueis irritou investigadores da Polícia Federal que atuaram na Operação Xeque-Mate.

A irritação ocorreu por causa de um trecho sobre a exclusão, entre os denunciados, de Genival Inácio da Silva, o Vavá, irmão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que havia sido indiciado pela PF sob suspeita de tráfico de influência e exploração de prestígio.

Um trecho da nota diz que o MPF entendeu que não há nos autos elementos que indiquem a participação (de Vavá) em qualquer uma das quadrilhas denunciadas.

Para os investigadores, o texto dá a impressão de que não havia também indícios de tráfico de influência e exploração de prestígio contra Vavá. O delegado Alexandre Custódio Neto, responsável pela Operação Xeque-Mate, não criticou a decisão do MPF. Custódio ressaltou, porém, que o próprio MPF já tinha confirmado os indícios.