Professores reagem a PDE e reivindicam piso salarial maior

REUTERS

BRASÍLIA - Apenas um dia após o lançamento do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE), profissionais da educação organizaram a primeira manifestação contra o programa anunciado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A categoria reage ao piso salarial de 850 reais, fixado pelo Ministério da Educação, e reclama por valor superior.

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CTNE), que coordenou o protesto desta quarta-feira, na Esplanada, reivindica piso de 1.050 reais para professores de nível médio e 1.575 reais para os educadores e demais profissionais do magistério, habilitados em pedagogia e licenciaturas de graduação plena.

Sob bandeiras e gritos de guerra 'Pague o Piso ou Pague o Preço', os manifestantes tomaram a frente do Congresso Nacional e pressionaram o presidente Luiz Inácio Lula da Silva a receber uma comissão para discutir mudanças. Segundo a coordenação do ato, mais de seis mil pessoas estavam presentes. De acordo com levantamento parcial da Polícia Militar, a manifestação contou com pouco mais de 3 mil pessoas.

Classificado como PAC da Educação, parafraseando o Programa de Aceleração do Crescimento, o PDE foi elogiado por diversos especialistas.

- Ficamos frustrados com o plano - reclamou Juçara Dutra Vieira, presidente da CNTE.

O PDE prevê o piso nacional para professores a partir de 2010. A confederação propõe a fixação do piso em 2008, mas considera negociar este ponto se o governo se dispuser a aumentar o 'salário mínimo' do setor.