TSE rejeita consulta do governo sobre redução de preço de combustíveis em ano eleitoral

...

Foto: Reuters / Adriano Machado
Credit...Foto: Reuters / Adriano Machado

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu nessa terça-feira (22), por unanimidade, não analisar a consulta formulada pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) sobre a viabilidade de adotar medidas, como redução de impostos federais, na intenção de mitigar preços ofertados em postos de combustível no ano eleitoral. A Corte julgou que os questionamentos enviados pelo governo federal não preencheram as exigências para a sua análise.

O ministro-relator, Carlos Horbach, avaliou que a consulta do governo sofre de falta de "abstração e objetividade". Para o magistrado, os questionamentos não preenchem "os requisitos e pressupostos necessários para a sua análise". Horbach argumentou que a amplitude das perguntas pode fazer com que o TSE apresente respostas também amplas, que podem, eventualmente, esbarrar em questões que venham a ser tratadas futuramente pelo colegiado.

"Não pode a consulta ser formulada de maneira excessivamente abstrata, uma vez que o elevado grau de abstração permite diversas respostas cabíveis", afirmou. "O presente instrumento não é apto para se obter a resposta", completou.

Seu voto foi seguido pelos ministros Alexandre de Moraes, Ricardo Lewandowski, Mauro Campbell Marques, Benedito Gonçalves, Sergio Banhos e o presidente da Corte, Edson Fachin. Para Lewandowski, "o governo quer discutir tema da ordem do dia" em consulta ao TSE, sendo portanto inapto a receber resposta. (com Agência Estado)

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais