A obra e as ideias de Paulo Freire, que completaria 100 anos neste domingo

Redução da pedagogia criada pelo educador a um método de alfabetização é um dos erros comuns sobre seu trabalho

Foto: CPDOC Jornal do Brasil
Credit...Foto: CPDOC Jornal do Brasil

Brasileiro com a obra de ciências sociais mais citada no mundo, o educador Paulo Freire completaria cem anos neste domingo (19).

Mais de 50 anos após escrever sua obra mais conhecida, "Pedagogia do Oprimido", Freire é alvo de ataques de grupos ligados ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), mas celebrado no exterior, onde dá nome a 20 institutos.

Conheça os principais pontos da vida e obra do educador

Quem foi Paulo Freire? Educador brasileiro nascido em 1921 no Recife. Formado em direito, voltou sua atuação profissional à educação. Em 1963, desenvolveu experiência pioneira de alfabetização de adultos em Angicos (RN), mas o programa, que seria ampliado em escala nacional, foi interrompido pela ditadura militar.

Preso e exilado, foi para o Chile e depois para os EUA, onde deu aulas na Universidade Harvard. Escreveu seus principais livros no exterior. Voltou para o Brasil com a anistia e, em 1989, assumiu a Secretaria Municipal de Educação de São Paulo na gestão Luiza Erundina, então no PT, até 1991. Morreu em 1997, aos 75 anos.

Quais são suas ideias centrais? Paulo Freire vê a educação como ferramenta para emancipação individual e social e avalia que todo processo educacional deve partir da realidade do próprio aluno. Também valoriza a horizontalidade, ou seja, a possibilidade não só de estudantes aprenderem com professores, mas também o contrário.

O que é o método Paulo Freire? Muitas vezes confundido com seu pensamento, o chamado método Paulo Freire é uma metodologia de alfabetização de adultos e representa um aspecto muito pequeno se comparado à dimensão da sua produção intelectual. Foi aplicada pela primeira vez com mais destaque em Angicos (RN) e divulgou a alfabetização dos alunos em 40 horas.

O processo se deu a partir de palavras geradoras identificadas a partir da realidade dos alunos. As palavras eram decompostas em sílabas, e a partir delas acontecia a alfabetização. Para Freire, ela ia muito além da decodificação das letras e incluía a tomada de consciência dos alunos.

Macaque in the trees
O Google, maior portal de buscas do mundo na internet, faz homenagem a Paulo Freire neste domingo (19) (Foto: Foto: reprodução)

John Holst, professor da Universidade da Pensilvânia, afirma que o mais inovador no método não era o uso de palavras pequenas e sua decomposição em sílabas. “O que foi inovador na abordagem de Freire foi o extenso trabalho de pesquisa sobre as realidades vividas na vida dos alunos, feito junto com alunos e outros membros da comunidade, que ele sentiu ser fundamental para o conteúdo educacional e que deveria ser feito antes que qualquer trabalho de alfabetização real ocorresse”, afirma.

Por que Freire virou alvo dos bolsonaristas? Sua visão de educação como uma ferramenta de transformação social ligou o educador a uma tradição associada à esquerda. Pesa também a ligação com o PT. Filiado ao partido, Freire participou da gestão Luiza Erundina na cidade. Por outro lado, durante sua passagem na Secretaria Municipal de Educação, teve diversos atritos com o diretório do partido, que queria, por exemplo, indicar ocupantes de cargos comissionados.

Os bolsonaristas culpam Paulo Freire pelos problemas da educação brasileira. Qual é sua responsabilidade? Freire chegou a esboçar uma ação nacional de combate ao analfabetismo pouco antes do golpe militar de 1964 e, como já citado, ocupou o posto de titular da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo de 1989 a 1991. Esse foi o único momento em que teve responsabilidade direta pela gestão educacional.

“O próprio Freire dizia que a questão do analfabetismo não era método, mas vontade política”, diz seu biógrafo Sérgio Haddad. “A responsabilidade pela educação é do poder público.” Ressalta-se ainda que, como já mostrou a Folha, diversas escolas de elite de São Paulo, com bons desempenhos nas avaliações, têm como referência ideias do pensador.

Uma frase famosa de Freire diz que educar é um ato político. O que ele quis dizer com isso?
Professor da Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) e autor de uma “biografia filosófica” do brasileiro, Walter Kohan afirma que a palavra política deve ser entendida em seu sentido original, da origem grega polis, que remete a organização social, e não a política partidária. A ideia é que o professor e o aluno compreendam o seu lugar no mundo, que não é neutro. “Um exemplo é: se nós vivemos num mundo racista e quisermos uma educação neutra, estaremos contribuindo para que o mundo continue a ser racista.”

Por que Paulo Freire ficou tão conhecido no exterior? Para Kohan, ele conseguiu condensar diversas tradições de sua época na educação e expressá-las de uma forma poderosa como ninguém havia feito. Há também o fato de ele ter sido obrigado a se exilar no exterior, o que ampliou sua rede de contatos. Além disso, Haddad aponta a confluência do seu trabalho com o “espírito do tempo”, propondo uma pedagogia em prol da liberdade num momento de Guerra Fria e ditaduras na América Latina.(Angela Pinho / Folhapress)



Paulo Freire
O Google, maior portal de buscas do mundo na internet, faz homenagem a Paulo Freire neste domingo (19)