Bioma amazônico dispara em direção à 'espiral da morte' conforme o desmatamento aumenta em 2020

'Acho que 2019 é considerado um ano muito ruim para a Amazônia brasileira'

Ueslei Marcelino/Reuters
Credit...Ueslei Marcelino/Reuters

Uma área do tamanho de Israel foi desmatada no bioma amazônico no ano passado quando a destruição aumentou 21% na região que abrange nove países que abrigam a maior floresta tropical do mundo, segundo a organização de conservação da Amazônia.

Nesse ritmo acelerado, a floresta amazônica chegará a um ponto crítico em 10 a 20 anos, após o qual entrará em uma espiral de morte contínua à medida que seca e se transforma em uma savana, disse Carlos Nobre, cientista de sistemas terrestres da Universidade de São Paulo.

Cerca de 17% -18% do bioma já foi destruído, e com 1% a mais desmatado a cada três anos, o ponto crítico da destruição de 20% -25% está se aproximando rapidamente, disse Nobre, que não é filiado à organização de Conservação da Amazônia .

“É obrigatório chegar ao desmatamento zero em toda a Amazônia em menos de cinco anos”, disse Nobre.

A primeira análise da Conservação da Amazônia sobre o desmatamento no ano de 2020 mostra que cerca de 21.000 quilômetros quadrados (8.108 milhas quadradas) de florestas antigas foram cortadas ou queimadas, mais ou menos do tamanho de Nova Jersey, descobriu o grupo sem fins lucrativos dos EUA na sua análise de dados de satélite.

“Esses números são simplesmente alucinantes”, disse Matt Finer, que lidera o projeto de monitoramento da organização na Amazon.

O bioma amazônico é esmagadoramente dominado pela floresta tropical, mas inclui outros ecossistemas que compartilham um conjunto semelhante de plantas e animais. Muitas partes da Amazônia experimentaram um clima mais seco no ano passado e, portanto, ficaram mais suscetíveis ao fogo.

A Bolívia foi responsável pelo maior aumento na destruição em comparação com 2019, quando enormes incêndios devastaram suas florestas secas de Chiquitano, disse Finer. Muitos bolivianos usam táticas de corte e queima para limpar a terra para gado ou soja, e os incêndios podem ficar fora de controle e escapar para a floresta em condições de seca.

A Bolívia anunciou estado de emergência em outubro, dizendo que 600 famílias foram afetadas pelos incêndios.

Depois da Bolívia, Peru, Colômbia e Equador viram aumentos menores no desmatamento.

O Brasil teve o maior desmatamento, respondendo por 61% dos hotspots na Amazônia em geral, embora a destruição da floresta em 2020 tenha sido semelhante a 2019, disse Finer.

“Acho que 2019 é considerado um ano muito ruim para a Amazônia brasileira. 2020 teve menos imprensa e atenção, mas foi tão ruim, se não pior ”, disse ele.

Os dados de 2020 são baseados em uma análise preliminar de alertas de desmatamento gerados pela Universidade de Maryland, com números finais a serem confirmados ainda este ano. (com agência Reuters)