Jornal do Brasil

País - Artigo

Sempre aos Domingos - Eu fui um Bolsominion esta semana. E odiei

Jornal do Brasil GILBERTO SCOFIELD JR.

Esta semana eu tive uma experiência horrível e, ao mesmo tempo, enriquecedora. Eu fui um Bolsominion. E odiei.

Explico-me: conheço uma pessoa doce e adorável que vai votar em Bolsonaro (quem não conhece?). Nem acho que a pessoa seja exatamente uma fã do cara, mas ela claramente é antiPT, o que eu entendo perfeitamente. O que eu não entendo é ela achar que colocar uma pessoa que flerta abertamente com ideias fascistas e autoritárias no poder pode ser melhor do que Ciro, Marina, Haddad ou Alckmin no poder. Eu sou parte da comunidade LGBT que o candidato odeia abertamente. Já disse que preferia um filho morto a um filho gay. Ora, se o sujeito quer que gays morram e tem uma plataforma política que prega o armamento de uma população que não sabe lidar nem com uma escada rolante – que dirá com armas -, isso significa que a subida desta chapa ao poder me ameaça – e à minha família – profunda e seriamente. Há décadas eu pus minha cara no sol e venho defendendo e explicando a comunidade LGBT para todo mundo que eu conheço na tentativa (nem sempre bem-sucedida) de humanizar a questão e dar a ela a dimensão que qualquer questão humana exige.

Pois bem. As discussões corriam soltas sobre a vitória do sujeito na página da minha doce conhecida no Facebook e eu perguntava a ela meio perplexo, tipo “jura? Você vai votar no Bolsonaro?”. E me perguntava, ao mesmo tempo: quando eu não percebi que uma pessoa doce e carinhosa pode eleger um sujeito que prega a redução da pobreza através do extermínio dos pobres? E aquele debate de obcecados antipetistas foi me doendo tanto que eu fiz a maior besteira da minha vida. Eu decidi fazer o que eu venho enfrentando desde sempre: o discurso do ódio. Um raciocínio tolo e adolescente, preciso admitir, de tentar chocar para convencer. Reproduzi uma mensagem de ódio que recebi de um bolsominion via Twitter também na semana passada, após o Google me avisar de uma tentativa de hackeamento da minha conta do Gmail com um IP americano. E do nada chamei minha conhecida de retardada e que eu desejava - vejam vocês a crueldade da mensagem - que ela morresse de câncer, exatamente como me enviaram. Depois, perguntei se ela estava feliz com alguém desejando a morte dela. Porque era assim que eu me sentia.

E fui dormir com a cabeça e o coração aos sobressaltos. Aquilo me martirizou porque me arrependi dessa atitude desumana e grosseira no minuto seguinte. É óbvio que você não convence uma pessoa do seu ponto de vista agindo pior do que aquilo que você mais abomina na vida: a desumanidade. Não só foi grosseiro e torpe. Foi cruel. Eu me feri quando li aquilo. Por que eu reproduzi aquele ódio? Não há, na verdade, convencimento possível a ser feito a um grupo de pessoas com a convicção de que a desumanidade é um “lapso moral” que se passa por cima na “tentativa de dar um jeito nesse país”.

Li nas redes sociais esta semana o extenso relato de Mariana Ribeiro, uma ex-vizinha da família Bolsonaro, sobre a convivência com a família do sujeito durante a infância, quando moravam no mesmo prédio na Tijuca, Zona Norte do Rio e dividiam o elevador. A certa altura, ela pondera: “Acredito francamente que os apoiadores de Bolsonaro julguem que o Brasil precisa de uma mudança radical - e que a mudança radical vai se alcançar por meios radicais. Essa talvez seja uma impressão justa, ao mesmo tempo que é erro de cálculo brutal. Bolsonaro não tem capacidade de nos salvar. Ao contrário, seu radicalismo pode nos jogar na maior crise que já vivemos: a crise de humanidade. Esse não é um custo viável. Se perdermos a nossa humanidade, não nos restará absolutamente mais nada a perder. Vale dizer que a economia da Alemanha prosperou durante os anos de Holocausto. Mas ao fim da era Hitler, não restava mais nada aos alemães além de um grande senso de profunda vergonha nacional. Ainda não sei em que momento os fascistas se tornam fascistas. Mas eu sei o momento em que isso se traduz em barbárie: quando chegam ao poder. Fica, então, o recado. Se você não tiver um pingo de humanidade correndo pelas veias, se não puder aprender em nada com a História, não adianta nem correr: você não vai entrar nesse elevador”.

No dia seguinte eu fui lá na mesma página onde detonei o comentário-bomba e percebi que o estrago havia sido feito. Mas na minha imagem, claro. Ninguém entendia aquela fúria pavorosa como uma resposta de ódio com ódio. Eu havia virado um “petista furioso recalcado”, “essa gentalha que o voto vai exterminar em novembro”. A mesma gente que não se sensibilizava com a pregação de extermínio do candidato à minha comunidade estava muito sensibilizada pela pregação maligna da minha mensagem. Minha doce conhecida, com razão, estava furiosamente enviando a minha mensagem para todo mundo e minhas páginas nas redes voltaram ao pico das mensagens de ódio de sempre (eu já me acostumei a isso). Pedi minhas sinceras desculpas à minha conhecida em sua página, a seu marido - um sujeito também muito doce, que eu não conhecia, mas que também foi pego de surpresa pela mensagem - e a todas as pessoas que estavam atravessando uma doença que levou minha mãe tão cedo. Fui um idiota, fui desumano e aquilo não me deixou deitar a cabeça no travesseiro.

Na minha página, pedi desculpas novamente. Não sabia exatamente o que fazer para desfazer o erro que é uma mensagem de fúria desumana e seu estrondo maligno. Agora eu sei. E curiosamente, saí do episódio com a certeza maior ainda de que a desumanidade não pode vencer a racionalidade e o bom senso. #elenão #elenunca.



Recomendadas para você