Jornalistas são agredidos em evento de Bolsonaro na Bahia

Repórter da TV Bahia foi enforcada com um 'mata-leão', de acordo com emissora

Foto: reprodução de vídeo
Credit...Foto: reprodução de vídeo

Jornalistas das TVs Bahia e Aratu, afiliadas da Rede Globo e do SBT, respectivamente, foram agredidos por seguranças e um apoiador do presidente Jair Bolsonaro em Itamaraju, uma das cidades afetadas pelas enchentes no sul da Bahia.

As agressões, de acordo com comunicado da TV Globo, ocorreram no estádio Juarez Barbosa, onde o helicóptero utilizado pelo presidente posou em visita nesse domingo (12).

 

 

De acordo com a emissora, a repórter da TV Bahia foi enforcada com uma "espécie de mata-leão" por um segurança da Presidência quando Bolsonaro caminhava pelo campo de futebol.

Outro foco de confusão ocorreu quando o presidente subiu na caçamba de uma picape, em que desfilou na cidade. As imagens da TV mostram que um segurança do presidente ameaçando o repórter da TV Aratu após o microfone resvalar em seu braço.

"Se bater de novo vou enfiar a mão na sua cara", disse ele.

Em seguida, um apoiador do presidente puxou os microfones das duas equipes.

Segundo a TV Globo, a assessoria de imprensa da Presidência da República chamou os repórteres das duas emissoras para a escola para onde o presidente se dirigiu. Ali, um dos integrantes da segurança pediu desculpas pelo ocorrido.

Em nota, a TV Globo afirmou que as agressões "mostram que já passou da hora de a Procuradoria-Geral da República dar o seu parecer na ação que corre no Supremo [Tribunal Federal], tendo como relator o ministro Dias Toffoli".

A nota faz referência à ação da Rede Sustentabilidade no Supremo para proibir o presidente Jair Bolsonaro de atacar ou incentivar ofensas ou agressões à imprensa e aos profissionais da área.

A emissora afirmou ainda que, "se os seguranças agem por conta própria, a Presidência deve ser responsabilizada por omissão". "Se agem seguindo ordens superiores, a Presidência deve ser responsabilizada por atentar contra a liberdade de imprensa", completou.

A Presidência da República ainda não se manifestou sobre o episódio deste domingo.

A Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo) divulgou nota repudiando as agressões e afirmando que as autoridades precisam orientar a equipe de segurança do presidente para que respeitem o trabalho dos jornalistas, "pois lamentavelmente esse tipo de agressão vem se repetindo".

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), afirmou que "é inaceitável" a violência que os profissionais sofreram e disse prestar solidariedade. "A liberdade de imprensa é pilar fundamental da democracia e qualquer ataque ao jornalismo merece repúdio", disse. (Folhapress)

 

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais