No pior momento da pandemia, Bolsonaro demite ministro da Saúde e escolhe o cardiologista Marcelo Queiroga para o cargo

Pazuello deixa o cargo contrariado; 'Ministério da Saúde não é brincadeira', disse em entrevista 'de despedida' hoje à tarde

Reprodução
Credit...Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro decidiu convidar nesta segunda-feira (15) o médico paraibano Marcelo Queiroga, presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), para assumir o comando do Ministério da Saúde.

Queiroga teve uma reunião com Bolsonaro na tarde desta segunda-feira (15) e foi convidado para assumir o lugar do ministro Eduardo Pazuello. A nomeação deve ser publicada na edição desta terça-feira (16) no Diário Oficial da União, de acordo com o presidente. 

"Foi decidido agora à tarde a indicação do médico, doutor Marcelo Queiroga, para o Ministério da Saúde. Ele é presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia. A conversa foi excelente, já conhecia há alguns anos, então não é uma pessoa que tomei conhecimento há poucos dias. Tem tudo no meu entender para fazer um bom trabalho, dando prosseguimento em tudo que o Pazuello fez até hoje", disse Bolsonaro.

Segundo Bolsonaro, haverá uma transição de "uma ou duas semanas" entre o novo ministro e a equipe de Pazuello. A troca no comando da pasta ocorre no período em que o Brasil passa pelo pior momento da pandemia.

Antes de se reunir com o cardiologista, Bolsonaro chegou a convidar a médica Ludhmila Hajjar para assumir o ministério. Mas, segundo Hajjar, o convite foi declinado por uma falta de "convergência técnica" com o presidente.

Queiroga será o quarto ministro a comandar o Ministério da Saúde durante a pandemia da covid-19 no Brasil. Antes de Queiroga, comandaram o ministério, o médico e ex-deputado Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS); o médico Nelson Teich; e o general do Exército Eduardo Pazuello.

Marcelo Queiroga é graduado em medicina pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). É especialista em cardiologia e tem doutorado em Bioética pela Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, em Portugal. Atualmente, dirige o departamento de hemodinâmica e cardiologia intervencionista (Cardiocenter) do Hospital Alberto Urquiza Wanderley (Unimed João Pessoa) e é médico cardiologista intervencionista no Hospital Metropolitano Dom José Maria Pires, também na Paraíba. (com agência Sputnik Brasil)