Minas dá ultimato à Vale sobre negociações de assentamento em Brumadinho

A linguagem usada pelo estado foi a mais forte desde o desastre ocorrido há quase dois anos.

REUTERS/Adriano Machado
Credit...REUTERS/Adriano Machado

A mineradora de ferro Vale SA fracassou nessa quinta-feira (22) ao tentar chegar a um acordo legal com o estado de Minas Gerais sobre o desastre da barragem de Brumadinho, que matou centenas de pessoas, com Minas alertando que não levaria "migalhas" e dando um prazo de 10 dias para melhor oferta.

Cerca de 270 pessoas morreram em 2019 no acidente. O governo do estado e a Vale estiveram em reuniões para discutir um acordo, mas as negociações terminaram sem sucesso, disse Mateus Simões, funcionário do estado, a jornalistas.

A Vale disse em nota que não há consenso sobre o valor da indenização ou como o dinheiro deve ser usado. A empresa até agora alocou R $ 10 bilhões (US $ 1,87 bilhão) para indenizações e continuará a indenizar as vítimas, afirmou.

Simões acrescentou que a Vale tem agora 10 dias para apresentar uma nova proposta. Ele se recusou a falar sobre números, mas disse que a mineradora apresentou uma proposta de acordo que foi insuficiente para remediar os danos causados.

“Não vamos pegar qualquer migalha que eles joguem. Se o valor não for suficiente, não será aceito”, disse Simões, que é secretário da Administração do Estado de Minas Gerais. "Estou muito incomodado com o tom que Vale está usando ... como se fosse dar um presente."

A linguagem usada pelo estado foi a mais forte desde o desastre ocorrido há quase dois anos.

Simões em janeiro estabeleceu um piso de 28 bilhões de reais (US $ 5,23 bilhões) para qualquer possível acordo, embora o promotor federal Edilson Vitorelli tenha dito nessa quinta-feira que o governo de Minas Gerais e outras autoridades estavam buscando uma indenização global de 54 bilhões de reais (US $ 10,1 bilhões), mas reconheceu que o número pode ser flexível.

O rompimento da barragem foi o segundo desastre da Vale em poucos anos. Em 2015, uma barragem de sua propriedade em parceria com o Grupo BHP - em Mariana, também em Minas Gerais - se rompeu, matando 19 pessoas. (com agência Reuters)