VILLAS-BÔAS CORRÊA

Fala, presidente Dilma!

É provável que Dilma confirme o bom senso que vem marcando sua discreta mas afirmativa conduta

villasjb.com.br

O presidente Lula reafirmou que não deixará bombas para a sua sucessora, dona Dilma Rousseff

UMA CURIOSAINVER- SÃOde papéis na comédia da troca dopresidente Lulapela presidente eleita Dilma Rous- seff: enquanto a sucessora sur- preende como bomsenso ea segurança nasantecipações dosrumosdo seu governo, Lu- la parece perdido no papel do presidente que se atormenta como correrdocalendário que marca o dia 1º de janeiro de 2011como ofim deoito anos em que viajou pelo mun- dopara afirmaro seureco- nhecimento como o maior lí- der popular do planeta. “Ele é ocara”, carimbouo presi- dente Barack Obama, dos Es- tados Unidos. E foi, de fato. É provável que a presidente Dilma confirme o bom senso que vem marcando asua discretamasafirmativa conduta. Grata ao presidente Lula, quea descobriucomo chefe do Gabinete Civil da Pre- sidênciae fac ilitou a vida do presidente quenunca leu uma linha do volumoso expe- diente da burocracia, tem an- tecipado que outro será o mo- delito e o comportamento da sucessora, que lê e analisa to- dos os papéis,para discutir com os auxiliares. No momento o cordão que ca- davez aumentamais cercaa presidente eleita com as mais extravagantes reivindicações. O Poder Judiciário puxou a fila do peditório dosreajustes sa- lariais de fim de ano. É de corar um frade de pedra, merecendo a qualificação de “delirante” do ministro do Planejamento, Paulo Bernardo. Para os servi- dores dos maisbem pagos do país, um reajuste de 56%, dez vezes o índice de 5% da infla- ção. Atoga querpremiar os seus servidores com um rea- juste quecustaria abagatela de R$ 6,4 bilhões. O vice-presidente,deputa- do Michel Temer, da universi- dade do PMDB paulista, tem atuadonas coxiascomhabili- dade e discrição. Para facilitar as coisas e evitar atritos, pro- pôs que os partidos governis- tas mantenhamas mesmas pastas que tiveram no governo Lula. A solução do mais óbvio bom senso foi rechaçada pelo PT,singular casode umpar- tidodos trabalhadoresmilio- nários. E que paga as despesas do presidente Lula,que não Com os parlamentares, a con- versa émais generosa.Uma partida de xadrez: são dez par- tidos com peso político na conta do governo. Cada um com o seu cacife de parlamentares: dos 88 do PT aos 79 do PMDB do vice Temerea curvadeclinantedo PP com 41; o PSB com 34; o PDT com28; odecadente PTBcom 21; o PSC com 17; o PCdoB com 15; e o PRB fecha a raia com oito gatos pingados. A presidenteDilma avisou que pelo menos 30% dos minis- tros devem sermulheres, um percentual que desafia a lógica. Afinal,com taisescalonamen- tosa montagemdoministério vai reclamar a ajuda de um ma- temático. No seu giro por Ma- puto (Moçambique), Lula de- fendeu o reajuste pelo Congres- so dosalário dopresidente da República para a sua sucessora, com a generosidadeque não mereceu.Etem razão:opresi- dente, embora com todas as des- pesas pagas pelas mordomias, não pode ganharR$ 12 mil, além de outras vantagens. Lula reafirmouque não deixará bombas paraa sua s u c e s s o ra . Coube ao presidente do Su- premo Tribunal Federal (STF), Cezar Peluso, a defesa mais ou- sadapara oreajuste dosservi- dores do Judiciário. Nada me- nosque 56%,furando todosos tetos.Aindanão estevecoma presidenteeleita, quetemou- tras prioridades. Mas reafirma quenão abrirámão dopercen- carrega carteira no bolso para nãoamassar opaletó.Tudo funciona comoo moto-contí- nuo: o governo petista distri- bui, como Papai Noel, sinecu- ras para os petistas nas autar- quias estatais, como a Petro- bras miliardária. Os contem- pladospagam asua cotaao PT. E o PT paga as contas das suas lideranças. tual de 56% de reajuste para os servidores do Judiciário. No bolo das reivindicações de acertos salariaisnão se abriu umabrecha parao de- bate de propostas do interesse dopaís. Sóparaa oraçãodo venha a nós. Sea presidenteDilmanão falaralto,não serálevadaa s é r i o.