Morre Benedicto Fonseca Moreira, um ícone do comércio exterior brasileiro

.

Foto: divulgação
Credit...Foto: divulgação

Funcionário de carreira do Banco do Brasil, do qual foi o mais longevo (1968 a 1983) diretor geral da Carteira de Comércio Exterior (Cacex), quando promoveu forte inserção e diversificação da pauta exportadora do Brasil no comércio internacional, o economista Benedito Fonseca Moreira, nascido em Resende (RJ), morreu ontem aos 91 anos. Em maio de 1992 ele presidiu a Petrobras, substituindo a Ernesto Teixeira Weber e depois foi sucedido por Joel Renó. Foi ainda membro do Conselho Monetário Nacional, de 1979 a 1983.

Após deixar a administração pública, Benedicto Moreira passou a atuar no setor privado, assumindo a direção de várias empresas, como a Citrosuco Paulista S.A. (1983-1987), a Petropar S.A., a Olvebra S.A. e a Perdigão S.A. Comércio e Indústria, além de participar como membro do Conselho de Política Industrial, Comercial e Agrícola do Estado de São Paulo (Coinco), do conselho Diretor da Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex) e do conselho de Administração da Artex, entre outros. Ainda neste período, entre 1983 e 1990, continuou atuando no Concex.

Entre 1991 e 1992, foi diretor-presidente da Braswey Trading S.A. diretor-geral da Consultoria, Participação e Comércio Ltda. (Copar) e da Paiol Agro Pecuária Ltda.; presidente do Conselho de Administração do Banco Interpacífico S.A. e da Funcex, além da Associação Brasileira de Alimentos (Abia).

Por sua vasta experiência no comércio exterior foi eleito como vice-presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), da qual foi guindado à presidência em 1998, e em 2012 a presidência do Conselho de Administração da entidade.

Ao lamentar sua morte, o presidente da AEB, José Augusto de Castro disse que “o comércio exterior brasileiro perdeu um dos seus mais importantes ícones, cuja trajetória de vida dedicada à defesa de um Projeto Nacional de Comércio Exterior desenhado para o desenvolvimento econômico-social e indutor do aumento da produção, da produtividade e da geração de emprego e renda para o país”.

A visão de desenvolvimento de Benedicto Fonseca Moreira não ficou limitada ao comércio exterior. Durante sua administração à frente da Petrobras, deu início à implantação de um sistema de distribuição de gás canalizado em sociedade com governos estaduais, sendo os estados do Ceará e Pernambuco os primeiros a passarem pela experiência.