MUNDO

Biden enfrenta Trump e republicanos em discurso inflamado sobre o Estado da União

Ele aproveitou a oportunidade para traçar contrastes com Trump sobre o direito ao aborto e a economia, e dirigiu várias farpas aos legisladores republicanos na Câmara com brincadeiras que pareciam destinadas a acalmar as preocupações sobre sua idade e acuidade mental

Por JB INTERNACIONAL com Reuters
[email protected]

Publicado em 08/03/2024 às 09:04

O presidente Biden profere o discurso do Estado da União no Capitólio dos EUA em 7 de março de 2024 Foto: Reuters/Elizabeth Frantz

O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, defendeu nessa quinta-feira (7) a sua reeleição num discurso inflamado sobre o Estado da União, que acusou Donald Trump de ameaçar a democracia, de se curvar à Rússia e de torpedear um projeto de lei para resolver os problemas de imigração dos Estados Unidos.

Em um discurso de 68 minutos ao Congresso, Biden, um democrata, traçou contrastes nítidos com seu rival republicano, e desafiou os apoiadores de Trump na Câmara durante um discurso que foi observado tanto pelo desempenho do presidente de 81 anos quanto por suas propostas políticas.

Biden acusou Trump, seu adversário republicano nas eleições de 5 de novembro, de enterrar a verdade sobre o ataque ao Capitólio em 6 de janeiro de 2021, curvando-se ao presidente russo, Vladimir Putin, e bloqueando um projeto de lei para endurecer as restrições na fronteira dos EUA com o México.

Sobre o Oriente Médio, o presidente disse que tem trabalhado para um cessar-fogo imediato que dure seis semanas entre militantes do Hamas e Israel, e alertou Israel contra o uso de ajuda a Gaza como moeda de troca.

O maior impulso de suas declarações se concentrou em Trump, embora Biden não o tenha mencionado nominalmente.

Biden abriu declarando a democracia sob ameaça no país e no exterior e criticando Trump por convidar Putin a invadir os países da Otan se eles não gastassem mais em defesa.

"Agora, meu antecessor, um ex-presidente republicano, diz a Putin: 'Faça o que quiser'", disse Biden. "Acho ultrajante, perigoso e inaceitável."

Biden, que pressionou o Congresso a fornecer financiamento adicional à Ucrânia para sua guerra com a Rússia, também deixou um recado para Putin: "Não vamos nos afastar".

Trump, em resposta em sua plataforma Truth Social, respondeu com críticas a Biden. "Ele disse que eu me curvo ao líder russo. Deu-lhes tudo, incluindo a Ucrânia", disse.

O discurso deu a Biden, que sofre com baixos índices de aprovação, a chance de falar diretamente com milhões de telespectadores americanos sobre sua visão para mais um mandato de quatro anos.

Ele aproveitou a oportunidade para traçar contrastes com Trump sobre o direito ao aborto e a economia, e dirigiu várias farpas aos legisladores republicanos na Câmara com brincadeiras que pareciam destinadas a acalmar as preocupações sobre sua idade e acuidade mental.

Biden foi diretamente desafiado pela deputada republicana Marjorie Taylor Greene, que o criticou por Laken Riley, uma mulher morta recentemente, supostamente por um imigrante nos Estados Unidos ilegalmente.

Biden reconheceu Riley - e depois, em uma referência aos esforços para reduzir a violência armada, se referiu a um maior número de pessoas mortas em incidentes não relacionados a migrantes no país.

ATAQUES A TRUMP E REPUBLICANOS PELO 6 DE JANEIRO
Biden acusou Trump e os republicanos de tentarem reescrever a história sobre o motim do Capitólio em 6 de janeiro de 2021 pelos apoiadores do ex-presidente que tentavam anular a vitória de Biden em 2020.

"Meu antecessor e alguns de vocês aqui procuram enterrar a verdade sobre o 6 de janeiro. Não farei isso", disse Biden, um sinal de que enfatizará o tema durante sua campanha à reeleição. "Você não pode amar seu país apenas quando ganha."

Ele criticou os republicanos por tentarem reverter as provisões de saúde sob o Affordable Care Act, também conhecido como Obamacare, e aumentar os déficits, e os criticou por tirarem dinheiro da legislação a que se opunham.

Biden enfrenta descontentamento entre os progressistas de seu partido sobre seu apoio a Israel em sua guerra contra o Hamas, mas o clima entre os democratas na Câmara era arrebatador. Eles saudaram Biden com aplausos e aplausos, levando-o a brincar que ele deveria sair antes mesmo de começar.

Trump, por sua vez, enviou um fluxo constante de mensagens criticando Biden no Truth Social. "Ele parece tão irritado quando está falando, o que é uma característica das pessoas que sabem que estão 'perdendo'", escreveu Trump. "A raiva e os gritos não ajudam a reaproximar o nosso País!"

Pesquisas de opinião mostram que Biden e Trump, de 77 anos, estão muito próximos na disputa. A maioria dos eleitores americanos não está entusiasmada com a revanche depois que Biden derrotou Trump há quatro anos.

Trump, que enfrenta várias acusações criminais enquanto luta pela reeleição, diz que planeja punir inimigos políticos e deportar milhões de migrantes se ganhar um segundo mandato na Casa Branca.
Biden enfatizou seu apoio ao direito ao aborto e prometeu torná-los a lei da terra se os americanos votassem em legisladores democratas suficientes para fazê-lo.

Ele também renovou sua busca para fazer com que americanos ricos e corporações paguem mais impostos, revelando propostas que incluem impostos mínimos mais altos para empresas e americanos com riqueza acima de US$ 100 milhões. É improvável que qualquer reforma tributária seja aprovada, a menos que os democratas conquistem fortes maiorias nas duas casas do Congresso na votação de novembro, o que não é previsto.

Biden propôs novas medidas para reduzir os custos de moradia, incluindo um crédito fiscal de US$ 10.000 para compradores de casas pela primeira vez - um reconhecimento da angústia dos consumidores com as altas taxas de juros de hipotecas - enquanto se gabava do progresso econômico dos EUA sob seu mandato.

A economia dos EUA está tendo um desempenho melhor do que a maioria dos países de alta renda, com crescimento contínuo do emprego e gastos do consumidor. Mas os americanos em geral dão a Trump melhores notas nas pesquisas para questões econômicas.

BIDEN TRAÇA PLANO PARA PORTO DE GAZA
Biden tentou esfriar a raiva entre muitos democratas por seu apoio à ofensiva de Israel em Gaza após os ataques do Hamas em 7 de outubro. Ele anunciou que os militares dos EUA construirão um porto na costa mediterrânea de Gaza para receber assistência humanitária por mar.

"À liderança de Israel digo o seguinte: a assistência humanitária não pode ser uma consideração secundária ou uma moeda de troca. Proteger e salvar vidas inocentes tem que ser prioridade", disse.

Entre os convidados da esposa do presidente para o discurso, o primeiro-ministro sueco, Ulf Kristersson, que estava em Washington quando a Suécia aderiu formalmente à Otan nessa mesma quinta-feira, dois anos após a invasão da Ucrânia pela Rússia.

Biden encerrou seu discurso com uma referência à sua idade, dizendo que foi informado durante sua carreira que ele era muito jovem e muito velho. "Seja jovem ou velho, sempre soube o que dura", disse.

Ele destacou que a idade de Trump é próxima à dele. "Agora, outras pessoas da minha idade veem isso de forma diferente", disse ele, referindo-se às suas diferentes visões sobre os Estados Unidos.

A senadora Katie Britt, do Alabama, que deu a resposta formal dos republicanos a Biden, o atacou sobre imigração e economia.

"O verdadeiro Estado da nossa União começa e termina com isto: as nossas famílias estão a sofrer. Nosso país pode fazer melhor", disse.

Tags: