MUNDO

Após eleições, argentinos veem alta em preços de produtos

Há expectativa de nova desvalorização da moeda por Javier Milei

Por JB INTERNACIONAL
[email protected]

Publicado em 12/12/2023 às 14:16

Alterado em 12/12/2023 às 19:00

Inflação segue preocupando argentinos Foto: Ansa

Os preços de produtos no atacado entregues a supermercados e lojas no início desta semana na Argentina registraram aumentos de até 40%, em meio a fortes expectativas pelo anúncio de uma desvalorização iminente da moeda por parte do governo de Javier Milei.

O proprietário de um supermercado chinês do bairro Flores, na capital Buenos Aires, relatou à ANSA que houve aumentos de até 40% nas mercadorias, enquanto o gestor de uma loja de tintas no mesmo bairro falou em comportamentos especulativos e "paralisia de entregas".

"Nas últimas duas semanas as listas de preços registraram uma variação de 30%, enquanto nesta semana as entregas foram totalmente suspensas", afirmou.

"Há muita especulação, os distribuidores se antecipam ao anúncio de uma desvalorização para poder vender seus estoques com um preço maior", acrescentou.

Analistas citados pelo jornal Clarín preveem que os aumentos mais significativos serão nos alimentos da cesta básica, já que não está mais em vigor o acordo para o controle de preços do governo anterior.

A última medição oficial da inflação é referente ao mês de outubro, com alta de 8,3% no mês e 142,7% no ano.

Com base na evolução dos preços nas últimas semanas, os especialistas estimam uma inflação mensal de pelo menos 12% para novembro. (com Ansa)

Tags: