Heloisa Tolipan

eu não penso, eu não ligo, eu fascino “ Entre dar nome a um movimento e ser homônimo do gás mais leve conhecido pelo homem, não se pode negar que a obra de Helio Oiticica vai às alturas. Fiel a esta ideia, o poeta Jorge Salomão resolveu fazer uma homenagem ao amigo tropicalista e, no último domingo, quando rolava o encerramento da exposição Helio Oiticica: o Museu é o Mundo , foi ao Museu Nacional de Brasília para fazer sua performance Call me Helium . Em inglês? Sim, Helio adorava Nova York. O número ainda contou com uma leitura de Salomão do texto experimentar o experimental , do próprio Oiticica, enquanto o poeta vestia uma sunga prateada e uma camisa escrita ’Eu sou Hélio Oiticica’. Em seguida, ao som de Jimi Hendrix , um balão vermelho, assinado pelos artistas Andreas e Thomas Valentin foi lançado aos céus com faixas que levavam o nome do projeto. Jorge ainda pretende se apresentar em Belém, no final de março, e, em abril, seu balão subirá aos céus da nossa praia de Ipanema. Estamos curiosíssimos para assisti-lo!.