ONU espera ‘impacto positivo’ sobre troca de prisioneiros no Oriente Médio

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, disse esperar que a troca de prisioneiros entre Israel e o movimento islâmico Hamas gere um “impacto positivo para o estagnado processo de paz no Oriente Médio”. Ban fez a declaração durante uma visita à sede da ONU, em Genebra, na Suíça. Ele afirmou que “estava feliz com o resultado das negociações que duraram vários anos.”

Um acordo entre o Hamas, que controla a Faixa de Gaza, e Israel permitiu a libertação do soldado israelense Gilad Shalit, de 25 anos, que havia sido sequestrado pelo grupo em 2006. Em troca, Israel libertou 477 prisioneiros palestinos que foram levados para a Faixa de Gaza e a Cisjordânia.

Ao saber do acordo sobre a libertação de Gilad Shalit, o pai dele, Noam Shalit, falou à Rádio ONU, do norte de Israel, sobre sua luta em trazer o filho de volta. Noam Shalit contou que não tinha muita opção e que sabia, desde o início, que para eles conseguirem retornar o filho com vida, eles teriam que lutar toda hora, todos os dias.

A volta de Shalit foi trocada pela libertação de mais de mil prisioneiros palestinos que estavam em cadeias israelenses.

Wessam Mohammed contou à Rádio ONU sua expectativa para rever o pai, libertado nesta terça-feira após passar 25 anos numa cadeia de Israel. Mohammed disse que estava muito feliz, mas ao mesmo tempo ansioso. Ele disse que rever o pai após 25 anos era como um sonho. E depois corrigiu o que disse, afirmando que na verdade não era nem mesmo um sonho porque ele pensou que o dia jamais chegaria.

Como parte do acordo, Israel deve liberar outros 550 presos em novembro.